Se estiver nos EUA, certo que está comprando! Foto: Flickr.com/yourdon

O comércio móvel (m-commerce) deve movimentar US$ 20,85 bilhões em 2012 nos Estados Unidos, acréscimo de 98,6% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo projeção do Internet Retailer.

O valor representa 9,2% do e-commerce no país, percentual que em 2011 ficava em 5,4%.

Ainda conforme o Internet Retailer, dez empresas serão responsáveis por 39,3% do comércio móvel nos Estados Unidos em 2012, o equivalente a US$ 8,19 bilhões, indicador um pouco maior do que os 39% (US$ 4,1 bilhões) registrados no ano anterior.

No Brasil, o estudo mostra um cenário de crescimento na área, mas bem mais tímido do que no exterior.

Um levantamento realizado pelo e-Bit em junho passado mostrou que, do total de vendas online no Brasil, só 1,3% foram realizadas por meio de dispositivos móveis.

No mesmo período de 2011, o indicador era de 0,3%.

“O aumento do número de usuários de smartphones e a chegada da internet 4G apontam para o crescimento do m-commerce no Brasil. Contudo, ainda estamos a um passo atrás de Estados Unidos e Europa, onde o hábito de comprar por dispositivos móveis é mais comum", avalia Fabio Barbosa, co-fundador da MundiPagg, empresa especializada em soluções de pagamento online.

Outro estudo, do Google em parceria com o instituto Ipsos, revela que 31% dos usuários de smartphones já adquiriram um produto ou serviço usando seus dispositivos móveis.

"Desde o início do ano observamos uma forte movimentação de grandes players do comércio eletrônico nacional, que investiram no desenvolvimento de aplicativos e websites dedicados ao usuário mobile", complementa Barbosa.

Como exemplo, ele cita a Netshoes, que lançou sua loja mobile em outubro de 2011 e hoje tem cerca de 2% das vendas online neste canal, percentual que projeta dobrar nos próximos meses.

Outro player a apostar no mobile commerce é o Pão de Açúcar, que há três meses lançou uma vitrine mobile para compras pelo celular, usando tecnologia QR Code.