Os funcionários do Serpro decidiram iniciar uma paralisação das atividades. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Os funcionários do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) decidiram iniciar uma paralisação das atividades na terça-feira, 6. O movimento está relacionado a negociação de reajuste salarial.

O sindicato reivindica a correção dos salários de acordo com o IPCA (8,17%) mais 1% de ganho real. Sem acordo até o momento, após sete rodadas de negociação, foi determinada a paralisação geral.

A estatal ofereceu 5,5% para o ano de 2015, parcelado em duas vezes, sendo 50% aplicado em 1º de novembro e o restante em janeiro de 2016. Em maio de 2016, o reajuste seria de 5%, sob o argumento de dificuldades no orçamento.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), o movimento deve causar impacto no funcionamento dos serviços em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Florianópolis, Porto Alegre, Recife e Salvador. 

"Já demos sinalizações, em mesa, de que estamos dispostos a negociar, mas a diretoria da empresa oferece um reajuste salarial desrespeitoso, que sequer repõe as perdas da inflação", declara Paulo Roberto de Oliveira, diretor do Sindpd.

O Serpro é responsável por soluções como a declaração do Imposto de Renda via Internet (ReceitaNet), a nova Carteira Nacional de Habitação, o novo Passaporte Brasileiro e os sistemas que controlam e facilitam o comércio exterior brasileiro (Siscomex).