Leandro Barankiewicz.

Leandro Barankiewicz, ex-CEO da Unear, companhia de São Paulo especializada em CRM, acaba de assumir o cargo de diretor comercial corporativo na Linx, gigante brasileira de sistemas de gestão para varejo.

A informação é de fontes de mercado e foi confirmada pela empresa. Barankiewicz estava no último ano e cinco meses na Unear. Antes disso, fez carreira em empresas multinacionais.

O executivo foi VP de Vendas da SAP e diretor de vendas para contas estratégicas da Oracle, além de ter passado também por BEA Systems, Capgemini, Xerox e Tivit.

Barankiewicz substitui Ronaldo Stanzione, que havia ingressado na empresa em junho e agora "parte para outro desafio dentro da empresa", afirma a Linx em nota, sem dar maiores detalhes.

Stanzione veio da EMC, onde estava desde 2007. Nos últimos três anos, atuou como diretor do Information Intelligence Group para América Latina e Caribe. 

O profissional foi contratado para substituir Luciano Idésio, outro executivo de alto perfil trazido pela empresa da IBM em 2013 e atualmente no posto diretor de canais da SAP.

A empresa vem trazendo profissionais de mercado como o COO Jean Carlo Klaumann, vindo da Totvs em 2011; o CMO Flavio Menezes, vindo da Rede em 2009 e o diretor de vendas Evandro Trus, vindo da Atento em 2012.

Barankiewicz chega em um momento de crescimento da Linx, que parece não ter sido afetada pelos problemas do varejo brasileiro, segmento no qual é especialista.

No terceiro trimestre, a empresa teve uma receita operacional bruta de R$ 127,8 milhões, um crescimento de 21,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os resultados estão em linha com o trimestre passado e do ano de 2014, quando o crescimento também ficou na faixa dos 20%.

A empresa também segue fazendo aquisições, que desde 2009 chegam a 21, em ramos tão diferentes como lojas, farmácias e postos de gasolina. Em setembro, comprou  catarinense Chaordic e a amazonense Neemu.

As duas companhias são startups de destaque no mercado brasileiro de  personalização para e-commerce, por R$ 78,6 milhões à vista, mais R$ 32,8 milhões relacionados ao atingimento de metas de 2016 a 2018, totalizando R$ 111,4 milhões. 

A Linx está calçada por um grande empréstimo tomado em um momento estratégico. Antes do governo fechar as torneiras, em outubro de 2014, o BNDES aprovou a liberação de uma linha de crédito de R$ 102,8 milhões para a Linx.