Quantum Go agora à venda na Riachuelo. Foto: divulgação.

A Quantum Go, marca de smartphones ligada à Positivo Informática, anunciou uma parceria inédita para levar seus aparelhos para o varejo físico, vendendo seus produtos na rede de lojas da Riachuelo.

A partir desta semana, 46 lojas da rede Riachuelo em todo o país estão vendendo o produto, além do site oficial da fabricante - onde a marca começou exclusivamente a venda dos produtos - e outros canais eletrônicos. As lojas terão duas versões do Quantum GO: modelos 3G com 32GB de memória interna nas cores cinza e dourado.

Segundo a fabricante, o movimento vem em sequência aos bons resultados da investida da companhia em outros sites de e-commerce como Walmart.com, Shoptime, Americanas, Submarino, Casas Bahia, Extra e Ponto Frio.

De acordo com a Quantum, a opção pelo varejo dá continuidade à estratégia de atender aos gostos e às necessidades do consumidor brasileiro que, segundo pesquisas da marca, valoriza muito a oportunidade de conhecer fisicamente o produto antes de adquiri-lo.

Por este motivo, a Quantum nasceu com 20 pontos de degustação espalhados por todo o Brasil, em que os consumidores podem experimentar o smartphone, mas sem a opção de compra no local.

Ao alinhar forças com a Riachuelo, a fabricante espera aprofundar essa estratégiar e amplia a presença da marca em todo o Brasil, tanto em shoppings como nas ruas das principais cidades do país.

“Avaliamos a proximidade e a similaridade de públicos com a Riachuelo, marca altamente competitiva por realizar pesquisas para o lançamento de novas linhas, criar e produzir o que vendem, com forte presença nas redes sociais. Esse é exatamente o caminho que estamos começando a trilhar com a Quantum, por isso, a parceria é tão bem-vinda”, explica Vinícius Grein, head of Products da Quantum.

Atualmente, a Riachuelo é a maior empresa de moda do Brasil, com 275 lojas espalhadas pelo país e mais de 22 milhões de clientes com o cartão de crédito da loja.

A manobra da Quantum se assemelha à de outras marcas que também iniciaram suas vendas somente por meios virtuais, com preços menores, mas acabaram levando seus produtos para o meio físico.

Um exemplo recente é o da chinesa Xiaomi, que depois de três meses de operação exclusivamente online, firmou acordo com a Vivo para vender seus smartphones.