O Bradesco acaba de realizar os primeiros aportes por meio do Fundo FIP InovaBra I. Foto: Divulgação.

O Bradesco acaba de realizar os primeiros aportes por meio do Fundo FIP Multiestratégica InovaBra I – Investimento do Exterior, que conta com R$ 100 milhões de capital comprometido pelo próprio Bradesco. As primeiras empresas a receberem aporte foram Rede Frete Fácil e Semantix.

A Rede Frete Fácil é uma startup brasileira com solução para contratação de fretes rodoviários. A empresa desenvolveu uma plataforma tecnológica para oferecer serviços de inteligência na contratação de fretes, incluindo localização de veículos disponíveis, divulgação de cargas, otimização de circuitos e gestão de contratação. 

A plataforma permite uma oferta de soluções de transporte via Bradesco Cartões, particularmente no produto Cartão Bradesco Transporte. A empresa participou da primeira edição do programa inovaBra startups.

O sócio-diretor da empresa é Murilo Domingos, que fundou a Frete Fácil em 2010. Antes,foi redator digital da House Cricket e redator de agências como RMG e Exclam.

Já a Semantix é uma empresa especialista em inovação e transformação digital com foco na computação cognitiva especialmente nas verticais de big data, analytics, IoT, processamento de linguagem natural e inteligência artificial. 

A Semantix oferta treinamento, consultoria, desenvolvimento, sustentação, suporte e revenda de soluções de parceiros, com Dell, Cloudera e Datastax, além de produtos próprios. 

Com o aporte, a estratégia da empresa é fazer parceria com laboratórios de grandes universidades brasileiras e internacionais, expandir suas operações pela América Latina e criar produtos de dados disruptivos com inteligência cognitiva.

Leonardo Dias, co-fundador e CDO da Semantix, atuou na Catho Online por mais de 10 anos, onde foi gerente de projetos e gerente de estratégia de produtos. Já o CEO da companhia é Leonardo Santos, que foi CTO da Billabong, onde atuou por 5 anos.

O fundo faz parte do InovaBra Ventures, programa criado no formato corporate venture, e tem como foco investir em startups em três áreas: algoritmos e máquinas inteligentes, plataformas digitais e infraestrutura. 

O ticket de investimento do fundo dependerá do grau de maturação da empresa e da avaliação econômico-financeira do negócio. Cada empresa poderá ter aportes adicionais em casos de novas rodadas ou situações pontuais, avaliadas caso a caso. 

“Com este modelo buscamos maximizar o retorno investido em participações no capital de startups que apresentam ou possam gerar benefícios estratégicos para o Banco. Vale ressaltar que a maioria das oportunidades em fintech, health, insurtech nos estágios de maturação de produto ou expansão são bem-vindas para discussão”, comenta Mauricio Minas, vice presidente do Bradesco.