Apps travam uma corrida para a construção de suas bases de usuários. Foto: Pixabay.

O governo do estado de São Paulo vai utilizar o aplicativo PicPay, um dos maiores do segmento de pagamentos digitais, para transferir R$ 80 milhões em auxílio merenda a 732 mil estudantes durante dois meses. 

De acordo com o site Mobile Time, 113 mil deles, que vivem em extrema pobreza, receberão R$ 110 por mês e os demais, R$ 55. 

Se as aulas continuarem suspensas por mais que dois meses, o auxílio do programa, batizado de Merenda em Casa, será estendido.

Para receber a ajuda financeira, o responsável pelo estudante precisa abrir uma conta digital no aplicativo informando seu nome, CPF e data de nascimento. É preciso também enviar uma selfie e uma foto de um documento de identificação.

O dinheiro será depositado até o último dia útil de cada mês e o responsável poderá sacar o dinheiro em caixas 24 horas ou transferi-lo para outra conta sem qualquer taxa. 

Mantendo o dinheiro no PicPay, os beneficiários podem realizar pagamentos com o app em 2,5 milhões de estabelecimentos credenciados que possuem o QR code do serviço.

Para a publicação, os apps brasileiros de carteira digital travam uma corrida para a construção de suas bases de usuários, pois todos querem ter a maior quantidade possível de clientes até novembro - quando o Banco Central deve lançar uma plataforma nacional de pagamentos instantâneos.

Os arranjos fechados que existem hoje, cada um com seu próprio padrão de QR code, perderão atratividade. 

Por isso, seria importante conquistar usuários agora, enquanto ter uma base de estabelecimentos comerciais credenciados ainda é um diferencial. 

Nesta corrida estariam iti, Mercado Pago, PicPay, Rappi, entre outros.

Criado em 2012, o PicPay é pioneiro no uso do QR Code para movimentações financeiras no país e já ultrapassou a marca 13 milhões de usuários com 3,5 milhões de transações do gênero.