A Telefónica é a segunda empresa espanhola a se ver mal na Argentina.

Em vez de ser expropriada, como a petrolífera Repsol-YPF, de capital espanhol e argentino, a Movistar, pertencente ao grupo hispânico, levará uma multa de US$ 41,6 milhões.

O motivo é um apagão de 4 horas no último dia 2 de abril, que deixou 18 milhões de usuários argentinos sem comunicação.

O governo argentino ficou tão insatisfeito com o apagão que decidiu convocar uma coletiva de imprensa para anunciar a multa e convocar as teles a fazerem novos investimentos para ampliar e melhorar as redes.

“Estamos fazendo uma advertência, não uma ameaça, às empresas telefônicas para que façam os investimentos que não estão fazendo”, afirmou o ministro de Planejamento, Julio De Vido.

A Movistar já havia anunciado uma bonificação aos clientes equivalente a um dia de chamadas e mensagens de texto grátis para compensar a falha, além de estender em 48 horas a validade dos créditos que tinham prazo de vencimento no dia do apagão.

No Brasil, a Telefônica teve um problema parecido no serviço de banda larga, o Speedy, em 2008.

À época, 2,2 milhões de consumidores ficaram sem acesso à internet por 23 horas em 407 municípios paulistas, chegam a cinco as ocorrências de problemas com os serviços da empresa em menos de um ano.

Na ocasião, a Anatel suspendeu as vendas do serviço e exigiu que a empresa apresentasse um plano de investimento.