Wagner Tadeu. Foto: divulgação.

A Brastorage, companhia paulista especializada em infraestrutura de TI, é o novo parceiro da fabricante de storage flash Pure Storage no Brasil.

A companhia já começou a oferecer a nova tecnologia de armazenagem de dados através das suas operações em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro.

De acordo com Constantino Iliadis, vice presidente de negócios da Brastorage, a ideia é fechar vendas na faixa de R$ 4 milhões com a nova parceria, o que significaria 7% do faturamento total para 2016, previsto em R$ 57 milhões.

“Já temos três provas de conceito em andamento e outras oito encaminhadas”, afirma Iliadis, destacando que a expectativa no longo prazo é que um terço do faturamento da área de hardware da Brastorage venha do novo parceiro.

A Brastorage trabalha com tecnologia Cisco, IBM, Microsoft e VMware, tanto na venda de equipamentos como na administração de estruturas de clientes.

Em 2014, a empresa investiu R$ 10 milhões em um data center no Centro Empresarial de São Paulo, onde antes ficava o centro de dados da Unilever para a América Latina. 

A companhia também está reforçando seu porfólio. Recentemente começou a trabalhar com a solução de aceleração de entrega de conteúdo (CDN, na sigla em inglês) da Verizon no Brasil.

O novo canal é um reforço para a Pure Storage no país. No Brasil, são 25 os canais, incluindo alguns nomes de peso como Allen, Promon e Dimension Data.

“A empresa faz 100% das suas vendas indiretamente. Temos um programa muito bem organizado, inclusive com a possibilidade de registrar oportunidades pelo celular”, afirma Wagner Tadeu, country manager da Pure Storage no Brasil.

A Pure Storage é pioneira no segmento de armazenagem em flash. A empresa cresceu 152% no ano passado, atingindo uma receita de US$ 440 milhões. A base total de clientes chega a 1,6 mil.

Por outro lado, a companhia ainda está no vermelho, com perdas de US$ 213 milhões (a meta é entrar no azul no segundo semestre do ano que vem) e cada vez mais enfrenta a concorrência de players tradicionais que decidiram embarcar na nova onda.

A EMC e Hitachi lançaram produtos flash, a San Disk fechou um acordo com a IBM para vender o seu sistema InfiniFlash e a NettApp comprou um player no segmento, a SolidFire.