Gilberto Gil, ícone da música brasileira. Foto: @floragil_.

Tamanho da fonte: -A+A

Gilberto Gil, um dos ícones da música brasileira, vai participar de uma live da multinacional de desenvolvimento de software ThoughtWorks nesta quinta-feira, 10, às 19h.

O evento, transmitido ao vivo no canal do Youtube da empresa direto do estúdio de Gil no Rio de Janeiro, será uma conversa com a diretora-presidente da ThoughtWorks no Brasil, Marta Saft, com direito a algumas músicas ao vivo.

A mistura é menos inusitada do que pode parecer em um primeiro momento. Apesar de ser conhecido do grande público pelo seu sucesso como músico, Gil se engajou ao longo dos anos em assuntos afins ao posicionamento da ThoughtWorks.

O assunto tecnologia pipoca na obra de Gil desde os anos 60, com direito a alguns hits, como Parabolicamará, do disco de mesmo nome em 1991, ou a menos conhecida Pela Internet, do disco Quanta, de 1997.

No seu período de cinco anos e meio como ministro da Cultura, entre 2003 e 2008, durante a presidência de Lula, Gil se engajou na promoção de software open source e flexibilização dos direitos autorais. Foi o período de auge do prestígio dessa pauta em Brasília, antes de um recuo progressivo iniciado já sob Dilma Rousseff. 

“Em um momento em que falamos muito sobre transformação digital, não poderíamos deixar de promover a discussão sobre a lacuna no acesso à tecnologia. E ninguém melhor do que Gilberto Gil para participar dessa discussão conosco”, esclarece Karine Medeiros, Head de Marketing da ThoughtWorks.

Na pauta da conversa devem estar assuntos como tecnologia como um direito social, incentivo ao código aberto, compromisso com desenvolvimento de soluções sustentáveis, entre outros temas. 

A Thoughtworks é uma grande corporação (no começo do ano, a empresa recebeu um investimento de um fundo soberano de Cingapura e da Siemens que a avaliou em US$ 4,6 bilhões), mas não dá para dizer que esteja forçando a barra ao discutir essa pauta com Gil.

Fundada em 1993, a ThoughtWorks tem uma reputação forte entre jovens profissionais, construída pelo pioneirismo no tema métodos ágeis e o engajamento pronunciado em pautas sociais, como apoio a ONGs, acesso de mulheres e minorias ao mercado de trabalho, antes que ela se tornassem mainstream no setor de tecnologia.

A ThoughtWorks chegou ao Brasil em 2010, abrindo uma operação no Tecnopuc, parque tecnológico da PUC-RS em Porto Alegre. Depois foram agregados São Paulo, Recife e Belo Horizonte. Em 2017, a empresa tinha 515 funcionários no país.