Ações da BlackBerry em alta. Foto: divulgação.

Pode não parecer, mas a canadense Blackberry - que ultimamente não anda no lado mais favorável do mercado de telefonia móvel - está com prospecto bastante positivo, pelo menos na parte de ações. Somente este ano, os papéis da companhia já subiram 50%, um percentual de aumento maior que empresas como Apple e Google.

Segundo informação do TechCrunch, a reação da Blackberry - uma empresa que em 2013 esteve envolvida em diversos rumores de dissolução e fim dos negócios devido ao malfadado lançamento de novos aparelhos - é mais silenciosa, mas está criando valor para seus acionistas.

Traduzindo em números, no início do ano a companhia estava com seus papéis avaliados em US$ 7,44 cada. Nesta terça-feira, 08, cada ação da companhia estava sendo negociada por US$ 11,21. E elas estão subindo.

Com um percentual de crescimento na casa dos 50%, a Blackberry passa gigantes como a Apple, que teve valorização de 20% nas ações. O Google não passou de 5% de crescimento. Claro que para uma empresa com um valor baixo nas ações, a possibilidade de crescimento é maior.

Ainda assim, é uma reação importante, dizem analistas. Desde o final do ano passado, com a saída do CEO Thorsten Heins e a entrada de John Chen, a empresa adotou uma postura mais discreta.

"A companhia está simplesmente cortando custos e não fazendo muito barulho. Até o momento, os investimentos estão gostando desta abordagem", afirmou Matt Burns, analista do TechCrunch.

Entre outras manobras de controle da Blackberry estão um recuo estratégico no lançamento de novos telefones, se restringindo apenas à atualizações em seu mais recente sistema operacional, o BlackBerry 10.

Outro investimento da companhia foi o Messenger App (BBM), um aplicativo semelhante a serviços como o WhatsApp, voltado para mensagens dentro de ambientes corporativos.

No entanto, se a curto prazo a estratégia está funcionando, especialistas questionam até quando esta estratégia pode se sustentar. A margem de participação da empresa, mesmo no mercado corporativo, está cada vez menor.

Atualmente a empresa já ocupa o quarto lugar no market share, ficando atrás do Windows Phone, iOS e Android.

"Se a BlackBerry quer permanecer, terá que fazer mais do que cortes de despesas e lançar atualizações para o BBM", finaliza o jornalista do TechCrunch.