Baguete
InícioNotícias> Rumo: mobilidade para maquinistas

Tamanho da fonte:-A+A

TREM

Rumo: mobilidade para maquinistas

Maurício Renner
// terça, 09/08/2016 14:46

A Rumo, concessionária de ferrovias presente em seis estados brasileiros, distribuirá 2 mil celulares entre os seus maquinistas como parte de um projeto para otimizar o contato com esses profissionais.

App da Rumo em ação.

Os aparelhos Samsung J5 adquiridos (no varejo, eles custam entre R$ 800 e R$ 1,1 mil dependendo de configurações) virá com o aplicativo Chave na Mão instalado. 

Os profissionais passarão a usar o app para diversas atividades, sendo uma das mais importante delas a informação sobre as escalas das suas viagens. 

Os trens de carga viajam até 2 mil quilômetros na região das concessões da Rumo, desde a sua origem até o seu destino final. 

Uma única viagem pode envolver escala com mais de dez maquinistas. Hoje, os maquinistas são informados por telefone sobre trajetos, hospedagem e viagens de retorno.

“O ajuste nas escalas vai evitar que um trem tenha que ficar parado aguardando a chegada de uma nova equipe para conduzi-lo. Queremos chegar o mais próximo possível de zerarmos as interrupções, garantindo mais previsibilidade e confiança”, afirma o diretor de Tecnologia da Rumo, Roberto Rubio Potzmann.

Com o aplicativo Chave na Mão, ajustes em escalas de trabalho passam a ser feitos em tempo real. Além disso, os profissionais poderão enviar informações de volta e terem acesso aos seus holerites.

Desenvolvido internamente, o Chave na Mão conta ainda com um módulo de ponto adquirido da Stefanini, que usará os IDs dos aparelhos e geolocalização para controlar o trabalho. 

O suporte dos aparelhos será feita pela Rumo, usando o software de gerenciamento de dispositivos móveis (MDM, na sigla em ingês) Mobile Iron.

A nova Rumo é resultado da compra em julho de 2014 da ALL pela Rumo, empresa de logística do grupo de energia Cosan. Antes de assumir a Rumo, Potzmann foi CIO da Cosan.

Desde então, a companhia tem recebido investimentos pesados para se tornar mais competitiva. O Chave na Mão, por exemplo, está junto de uma série de medidas de inovação com investimentos previstos de R$ 400 milhões até 2020.

Desse total, a maior parte irá para sistemas a serem instalados no campo à margem das ferrovias, melhorando o controle dos usos. A Rumo também tem um time de tecnologia grande, desenvolvendo internamente muito dos seus sistemas.

“O Chave na Mão é o início da implantação de uma série de projetos que colocará a Rumo em um outro patamar em termos de inovação, sendo pioneira no setor ao adotar tal grau de tecnologia”, acredita Potzmann.

A Rumo tem 12 mil quilômetros de malha ferroviária no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. São 12 mil funcionários diretos e indiretos. 

Em 2015, 53% do volume transportado pela Rumo, ou 24,9 milhões de toneladas, correspondeu a milho, soja e farelo de soja. A empresa projeta que o transporte de grãos deve aumentar 85% em dez anos.

Maurício Renner