Baguete
InícioNotícias> Salesforce agora tem dois CEOs

Tamanho da fonte:-A+A

DUPLA DE DOIS

Salesforce agora tem dois CEOs

Maurício Renner
// quinta, 09/08/2018 05:19

Keith Block, ex-COO da Salesforce, acaba de ser promovido para o cargo de co-CEO, passando a dividir o comando do negócio com o fundador, Mark Benioff.

Mark Benioff e Keith Block.

Block está na Salesforce desde 2013, quando veio de um período de 26 anos na Oracle. Benioff também é um ex-Oracle, tendo fundado da gigante de CRM na nuvem depois de sair da empresa em 1999.

Pelo novo arranjo, Benioff ficará a cargo de “visão e inovação”, nas áreas de tecnologia, marketing, engajamento com acionistas e cultura, enquanto Block fica com tarefas menos divertidas como estratégia de crescimento, execução e operações.

O objetivo é cumprir as metas estabelecidas pela empresa, que quer mais do que dobrar de tamanho até 2022, atingindo US$ 23 bilhões em faturamento, contra os US$ 10 bilhões do ano fiscal 2018.

Block e Benioff se conhecem desde 1986, quando ambos ingressaram na Oracle, e o novo arranjo reflete a maneira como a Salesforce já funciona, frisa e empresa em nota.

Modelos como o da Salesforce já foram tentados ou estão em curso em outras gigantes de tecnologia, como no caso da Oracle e SAP, que competem com a empresa no mercado de CRM.

Na Oracle, o fundador Larry Ellison deixou o cargo de CEO em 2014, passando a ser o CTO e deixando o comando para a dupla Safra Catz e Mark Hurd.

Na SAP, o arranjo funcionou entre 2010 e 2014, quando Bill McDermott e Jim Hagemann Snabe dividiram o cargo de CEO, com McDermott baseado nos Estados Unidos e Hagemann na Europa.

A situação da Salesforce, no entanto, é diferente e é possível dizer que mais propensa a dar errado.

Na Oracle, a figura do fundador deu um passo para o lado ao deixar o comando com dois executivos. 

Na SAP, tanto McDermott quando Snabe eram profissionais de carreira da empresa, não os criadores dela, que já estão fora da operação.

Já na Salesforce, o fundador permanece como CEO e terá que dividir as decisões sobre a empresa que ele criou com um executivo, um tipo de arranjo aparentemente mais complicado.

Maurício Renner