Alexandre Ercolani e Guilherme Thofern. Foto: divulgação.

Atenta ao crescimento de micro e pequenas empresas, uma startup gaúcha resolveu usar a web e criou a ContratoNinja, uma plataforma de criação de contratos sociais para empresas.

Uma ideia dos advogados porto-alegrenses Alexandre Ercolani e Guilherme Thofern, do escritório Faraco & Azevedo, na capital gaúcha, o site oferece a opção para que empresas formulem seus contratos empresariais através de uma ferramenta inteligente, capaz de emitir 64 versões diferentes do documento, de acordo com a especificação desejada.

Segundo Ercolani, o projeto nasceu de uma constatação ao observar alguns contratos, principalmente de micro e pequenas empresas. De acordo com o sócio, muitas pessoas já apelam para a internet para buscar modelos pré-redigidos.

Fora desta opção, para muitos empresários pequenos o trabalho de contratar terceiros para fazer estes contratos chega a valores proibitivos, da ordem de R$ 500 a R$ 1,5 mil.

"Muito preferem fazer os contratos e fazer os trâmites legais por conta própria. Segundo dados do Google no Brasil, a expressão 'contrato social' registra cerca de 1 milhão de buscas ao ano", explica.

De olho nesta demanda e com o plano de facilitar a busca e criação destes papéis, os sócios investiram em uma plataforma de geração de documentos ágil e amigável para usuários não familiarizados com a papelada empresarial. O valor do investimento não foi divulgado.

Segundo Ercolani, o nome ContratoNinja teve inspiração nos games e filmes. De acordo com o sócio, o termo remete à idéia de eficiência, rapidez e precisão, conceitos que o site quer fornecer.

"O site, que colocamos no ar em junho, ainda está em testes mas já fornece um serviço passo a passo, que molda o contrato de acordo com as especificações de cada usuário", explica.

De acordo com o empresário, o site ainda está em fase beta, mas já registrou em torno de 400 solicitações de contrato, um número que chamou a atenção dos sócios. O próximo passo é monetizar a ferramenta.

"Nos próximos meses, vamos passar a cobrar R$ 14,90 por contrato e veremos como o público se comporta quando deixarmos de oferecer o serviço gratuito. Por outro lado, também estamos preparando novos documentos, como contrato comercial e de trabalho, por exemplo", observa.

Embora o site tenha traçado o seu plano a curto prazo, Ercolani prefere manter as expectativas baixas, e sustentar o site como uma ferramenta de apoio a pequenas empresas.

"Nosso plano não é fornecer serviços de assessoria empresarial via web. Não creio que isso seja o indicado. Mas para aspectos pontuais como a criação de um contrato, a nossa plataforma pode ser uma grande ajuda", avalia.