Paulo de Tarso Mendes Luna foi nomeado presidente do Ceitec. Foto: Carlos Kilian.

Paulo de Tarso Mendes Luna foi nomeado como novo presidente do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec).

O nome foi anunciado no Diário Oficial desta sexta-feira, 9, que também registrou a exoneração de Marcelo Soares Lubaszewski do cargo.

Graduado em engenharia mecânica pela Universidade Federal do Ceará, Luna é doutor em engenharia de produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. 

Desde 2009, o executivo é sócio da Palmsoft, empresa especializada em entretenimento digital fundada em 2003. A companhia desenvolve jogos, engines de jogos e diversas tecnologias próprias para fornecer ao mercado games para plataformas móveis e web.

Entre 2009 e 2010, Luna foi diretor de Governança Eletrônica do Governo do Estado de Santa Catarina. Antes, por dois anos, foi diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável.

Luna também atuou como diretor técnico científico e diretor geral da Fundação de Ciência e Tecnologia do Estado (hoje FAPESC).

O executivo tem experiência na área de empreendedorismo de base tecnológica, pois participou da implantação, em Santa Catarina, da Rede de Incubadoras (2001), da Rede Design Catarina (2006) e do Programa Santa Catarina Games (2006).

Luna ainda foi professor do departamento de expressão gráfica da Universidade Federal de Santa Catarina,em que ministrou aulas para o curso de design de animação. 

A Ceitec, estatal federal de circuitos integrados localizada em Porto Alegre, faturou R$ 4,3 milhões no ano passado, uma alta de 48% frente aos resultados de 2014. Ao mesmo tempo, a companhia aumentou seu prejuízo quase na mesma proporção, fechando com um negativo de R$ 31,2 milhões, frente aos R$ 21,8 milhões do ano anterior. 

Um dos desafios de Luna na liderança da companhia é ampliar suas vendas, uma vez que a companhia tem custos fixos altos. No início de 2016, a companhia contava com 195 funcionários, sendo 53 deles com mestrado, sete com doutorado e quatro com pós-doutorado.

Em sua divulgação de resultados do ano passado, o Ceitec apontou que as vendas do chip do boi, um dos seus primeiros produtos, assim como o chip de identificação veicular, foram os principais responsáveis pela alta nas vendas. 

No ano, foram mais de 17 milhões de chips vendidos, mais do que nos três anos anteriores juntos. O Ceitec começou a faturar em 2012 e desde então vem crescendo, tendo atingido a marca do R$ 1 milhão em 2013.

O Sistema Nacional de Identificação de Veículos (Siniav) é um projeto do governo federal que determina a obrigação da instalação de chips em carros, motos e caminhões, o que significaria uma demanda significativa para o Ceitec.

O problema é que a obrigatoriedade da adesão é protelada desde 2006. No meio tempo, o centro tem emplacado o produto entre veículos transportadores de carga. 

O Ceitec, destinado a fomentar a indústria de semicondutores brasileiras, é parte da política industrial do governo brasileiro na última década. Os aportes feitos no centro chegam a R$ 670 milhões desde 2000.

Lubaszewski, professor da UFRGS com doutorado em microeletrônica, assumiu a presidência interina do Ceitec em 2013. Antes, ele ocupava a função de diretor de design e relações institucionais da companhia.