Tony Hemmelgarn, CEO da Siemens Digital Industries Software. Foto: Divulgação.

A MindSphere, plataforma aberta da Siemens para internet das coisas (IoT), é considerada pela empresa como a peça chave para completar o ciclo dos chamados gêmeos digitais, conceito que faz parte da estratégia de digitalização da indústria e concretização da visão “4.0” no segmento.

O “digital twin” surgiu como uma maneira de representar digitalmente um produto para avaliar alterações e possíveis inovações antes mesmo da geração de um protótipo físico, o que permitiria acelerar o ciclo de produção, ao mesmo tempo em que se diminuem os custos.

No entanto, o conceito hoje abrange mais do que o modelo virtual de um item, chegando a representações dos processos de produção e todo o desempenho das linhas de produção de uma fábrica de maneira virtual. 

O Gartner aponta que, até 2021, metade das principais indústrias globais vão utilizar gêmeos digitais, gerando assim um aumento de 10% em sua eficácia.

O gêmeo digital do produto é criado logo no estágio de definição e planejamento do design.  Isso permite que os engenheiros simulem e validem as propriedades do produto de acordo com requisitos variados.

Na etapa de produção, o gêmeo digital envolve todos os aspectos, desde as máquinas e controladores da fábrica até linhas de produção inteiras no ambiente virtual.

Já o gêmeo digital de desempenho é constantemente alimentado com dados operacionais de produtos ou da planta de produção. Isso permite que informações status de máquinas e dados de consumo de energia sejam monitoradas constantemente. 

Isso possibilita a manutenção preditiva para evitar inatividade e otimizar o consumo de energia. 

Para obter dados de todo o processo, o MindSphere, sistema de IoT baseado em nuvem da Siemens, pode ser inserido em toda a cadeia de valor e no produto. 

A abordagem da empresa é que essa é a melhor maneira de fechar o ciclo de informações e obter otimização contínua na indústria.

“O retorno de informações sobre o que realmente está acontecendo com o produto pode ser inserido no modelo digital para análises mais profundas, e acho que essa ação ainda é subestimada no mundo de IoT. Internet das coisas pode ser mais do que monitoramento. Ela pode levar os dados de máquinas para o modelo digital, por exemplo, e realizar simulações para entender porque um problema aconteceu, e não somente realizar sua manutenção preditiva”, detalha Tony Hemmelgarn, CEO da Siemens Digital Industries Software.

A partir da captura de dados, o MindSphere também serve como plataforma para o desenvolvimento de novos modelos de negócios digitais para indústrias e completa o portfólio da Siemens. A solução oferece funções para aquisição de dados em campo e para transferência e armazenamento das informações na nuvem.

Com a integração da Mendix, plataforma de desenvolvimento low-code e no-code adquirida pela Siemens em agosto do ano passado por US$ 700 milhões, o MindSphere conta com um novo estágio de desenvolvimento de aplicações baseados em IoT.

Hemmelgarn acredita que a união das plataformas colabora com um ponto ainda pouco explorado no segmento de internet das coisas.

“De modo geral, em IoT, não há aplicações suficientes em desenvolvimento. Há muitas plataformas, mas onde estão os apps? Com a criação de ferramentas no Mendix, os clientes podem extrair mais valor dos dados capturados com a internet das coisas”, resume o CEO.

A Siemens Digital Industries Software é a nova Siemens PLM Software. A unidade mudou de nome para transmitir o crescimento de seu ecossistema e portfólio, antes ancorado no mundo da gestão de ciclo de vida do produto (PLM, na sigla em inglês).

Hoje, a empresa une soluções, aplicativos, ferramentas e serviços para além do PLM e do CAD, com um pacote mais completo focado na Indústria 4.0, no qual é necessário integrar o mundo da tecnologia operacional com o da tecnologia da informação.

A unidade Siemens Digital Industries Software conta com mais de 22 mil funcionários espalhados por 250 escritórios em 36 países. O segmento atende a mais de 170 mil clientes.

*Júlia Merker participou do Siemens Media and Analyst Conference, em Nova Iorque, a convite da Siemens.