ATM do Bradesco lê a mão do cliente. Só não prevê o futuro. Foto: Flickr.com/spine

A partir do fim deste mês de outubro, os correntistas do Bradesco poderão fazer saques nos caixas eletrônicos sem precisar de cartão, usando apenas a palma da mão, que será lida por sensores biométricos.

Até o final de 2013, a meta do banco é ter 100% dos clientes atuando somente com este meio, informa Exame.com.

Hoje, 90% da base de 34 mil ATMs do banco em todo o Brasil já possui os sensores para identificação do cliente pelo mapa de veias da mão.

Conforme declarou à Exame o diretor executivo do banco, Cândido Leonelli, o sistema já vinha sendo usado há alguns anos como substituto do cartão de senhas numéricas.

A expansão do uso vai beneficiar quase metade dos 26 milhões de correntistas da instituição que já têm o mapa das veias da mão cadastrado.

Para os que ainda não fizeram o cadastro, pode ser feito em qualquer agência do Bradesco.

Nos últimos cinco anos, o banco investiu em torno de R$ 40 milhões em sistemas de biometria, e a meta, segundo Leonelli, é chegar a 3,8 milhões de consultas e saques em seus caixas eletrônicos por dia via este sistema.

Conforme o diretor, um saque com biometria leva 25 segundos para ser feito, 70% mais rápido do que no modelo convencional.

Também há ganhos em segurança: atualmente, mais de 92% das operações de clientes do banco ocorrem em sistemas digitais de autoatendimento, como a internet e ATMs.

Dados da Febraban indicam que, só em 2011, as perdas com fraudes eletrônicas nos bancos brasileiros subiram 60%, totalizando um prejuízo de R$ 1,5 bilhão às instituições.

A biometria reduz os riscos de fraudes em caixas eletrônicos, já que é impossível clonar o mapa de veias, como ocorre com o cartão.

Leonelli afirma que, no Bradesco, a biometria já reduziu as fraudes em caixas eletrônicos em 45%.