ALIANÇA

CPqD e TSM: parceria em antenas para 4G

09/10/2012 16:01

Campinenses e gaúchos produzirão antenas nas faixas de 3,5 GHz e 4,9 GHz.
 

TSM e CPqD: parceria antenada. Foto: Flickr.com/jfcaro

Tamanho da fonte: -A+A

O CPqD e a empresa gaúcha TSM Antennas firmaram um contrato de fornecimento de tecnologia, fabricação e venda de antenas nas faixas de 3,5 GHz e 4,9 GHz.

A TSM tem sede e fábrica em Santa Maria, a 290 quilômetros de Porto Alegre, e conforme a engenheira Laila Marzall, gerente do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento da empresa, acabou de instalar uma unidade de produção avançada, destinada à fabricação das novas antenas.

As novas antenas são adequadas para uso em sistemas de rádio com tecnologia MIMO (multiple-input and multiple-output), com alto potencial de uso nas redes móveis de quarta geração (4G), segundo ela.

“Este contrato consolida uma parceria que vem sendo construída há mais de três anos”, afirma a gerente.

Além disso, dentre as antenas inclusas na parceria, a de 3,5 GHz é projetada para aplicações na área de cidades digitais, enquanto a de 4,9 GHz vai bem em projetos de segurança pública - polícia, bombeiros, defesa civil, entre outros.

“A utilização da faixa de frequência de 4,9 GHz para esse tipo de aplicação, aliás, é uma recomendação recente da União Internacional de Telecomunicações (UIT) para todo o mundo”, analisa Fabrício Lira Figueiredo, gerente de Sistemas de Comunicações Sem Fio do CPqD.

Os produtos da parceria TMS/CpQD são fruto do projeto Radiofrequência para Redes Sem Fio Banda Larga Aplicadas à Segurança Pública, que vem sendo desenvolvido pelo CPqD com apoio do Fundo Nacional para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel), do Ministério das Comunicações.

“Com esse projeto, daremos uma contribuição importante para o aumento da competitividade da indústria brasileira no segmento de redes sem fio banda larga”, destaca Hélio Graciosa, presidente do CPqD.

Com sede em Campinas, o centro de pesquisa e desenvolvimento fornece soluções para setores como telecomunicações, energia elétrica, financeiro, industrial, corporativo e administração pública, empregando mais de 1,4 mil profissionais.

Já a TSM vende seus produtos no Brasil, América Latina, Europa e África.

A carteira de clientes da compannhia santa-mariense traz nomes como Digitel, Petrobras, Motorola, CPFL, Claro, Vivo, TIM, Oi, Furnas e Ericsson, entre dezenas de outros.

Veja também

SDN
Ericsson e CPqD: tool kit para OpenFlow

Protocolo permite a criação de redes definidas por software, nas quais é possível programar remotamente os elementos de uma rede.

OPEN FLOW
CPqD, pioneiro no SDN no Brasil

Centro campinense de P&D em telecomunicações deve ser o primeiro filiado da Open Networking Foundation.

CPqD na 2ª edição do Cidades Digitais 2012

A paulista Momento Editorial, especializada em gráficos e editoria, em parceria com o CPqD, anuncia a segunda edição do Índice Brasil de Cidades Digitais, para julho deste ano.

O projeto tem como foco apresentar o nível de digitalização dos municípios brasileiros que vêm investindo em Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) como instrumento para melhorar a oferta de serviços à população e ter uma gestão mais eficiente.

CPqD: gestão para a uruguaia Antel

O CPqD fechou contrato com a operadora de telecomunicações Antel, do Uruguai, para fornecer o Sistema de Gestão de Inventário de Planta Externa à operadora.

A parceria, diz a empresa, é estratégica para a Antel, que vem investindo fortemente em sua rede para levar o acesso por fibra óptica até a casa ou escritório dos usuários.

CPqD desenvolve rede óptica a 50 Gbps

A CPqD está trabalhando no desenvolvimento de uma rede de fibra óptica que promete troca de dados de 50 Gbps em grupos de 40 usuários.

Com investimento focado em acesso a serviços e aplicações de banda larga – conhecidos como FTTH (do inglês fiber to the home) – a empresa trabalha em acesso de arquitetura PON (Next Generation PON, ou NG-PON), com conexões de 1,25 Gbps por usuário.

SEM SINAL
Lei das antenas deve chegar depois do 4G

Segundo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, uma minuta em elaboração só chega à Casa Civil em julho.

Teles querem dobro de antenas de celulares

As empresas de telefonia celular querem dobrar o número de antenas no país nos próximos cinco anos, relata o SindiTelebrasil.

Hoje, o Brasil tem cerca de 50 mil estações rádio base (ERBs). Para atender às necessidades de expansão do serviço nos próximos anos, devem ser necessárias 100 mil antenas.

INTERNET MÓVEL
Oi realiza teste de de sua rede 4G no Brasil

Em teste com o Samsung Galaxy SIII LTE, presidentes da Oi e da Anatel fazem vídeo-chamada em 4G na faixa de  2,5 GHz.

SEU NATAL
Samsung: celular 4G no Brasil em 2012

Executivo da empresa não deu detalhes, mas confirmou que espera o sinal verde das operadoras.