Celso Sato, presidente da Accestage. Foto: Divulgação.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um financiamento de R$ 9,5 milhões para o plano de investimentos da Accesstage, empresa especialista em soluções para intercâmbio de dados financeiros. 

O valor financiado, no âmbito do Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (BNDES Prosoft), representa 65% do total a ser investido em estudos, projetos, infraestrutura, pesquisa, desenvolvimento, treinamento, qualidade, marketing e comercialização. 

Com sede em São Paulo e especializada em intercâmbio eletrônico de dados, a Accesstage ampliou recentemente a sua presença regional, com abertura de filiais. Atualmente, a empresa mantém escritórios em Recife, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Belo Horizonte e no Rio de Janeiro. 

A empresa também mudou de endereço em São Paulo, passando a ocupar um espaço de 2.100 m² distribuídos por três andares em um prédio na Avenida Paulista, que será reformado com apoio do BNDES.

Além de investir no potencial do uso da nuvem, a Accesstage espera aumentar sua base de armazenamento de dados em 30% até o final de 2016. O quadro de funcionários da empresa deverá ser ampliado dos atuais 180 para 250 na conclusão do plano, em dezembro de 2016. 

A empresa (fundada pelo grupo japonês Mitsubishi em 2002) processa mais de 500 milhões de transações/mês e possui contrato com mais de 75 bancos e quase 20 adquirentes de cartões. A companhia foi a primeira do segmento a receber a certificação Payment Card Industry - Data Security Standard (PCI-DSS), entregue pelo PCI Security Standards Council, fórum global criado pelas bandeiras de cartão de crédito Visa, Mastercard e American Express, entre outras.

Em 2015, a Accestage realizou uma série de investimento para recuperar seu ritmo de crescimento, que desacelerou nos últimos anos. Em 2013, último ano com resultados divulgados, a empresa faturou R$ 55 milhões, um crescimento de 10%.

O resultado ficou abaixo da média de 20% que a companhia vinha mantendo. A empresa havia estabelecido a meta de voltar esse ritmo em 2014, o que significaria bater nos R$ 66 milhões, mas não divulgou os resultados do ano passado. Com os novos investimentos, a empresa espera atingir um faturamento de R$ 100 milhões em quatro anos.

Em outubro do ano passado, por meio do BNDES Prosoft, a Consinco, fornecedora de sistemas de gestão para o setor de varejo e atacado, recebeu R$ 1,5 milhão. O valor correspondeu a quarta e última parcela de uma linha de financiamento de R$ 4,5 milhões.

Na mesma época, a Mega Sistemas, desenvolvedora de sistemas de gestão para segmentos de construção, manufatura, logística, combustíveis, agronegócios e serviços, anunciou a captação de R$ 6,3 milhões junto ao BNDES pelo programa Prosoft.