O LinkedIn anunciou na segunda-feira, 8/10, a aquisição da Glint. Foto: Pixabay.

O LinkedIn, rede social voltada para relações profissionais e busca de vagas da Microsoft, anunciou na segunda-feira, 8/10, a aquisição da Glint. A startup é responsável por uma plataforma de RH voltada para a satisfação dos colaboradores.

Embora os termos financeiros não tenham sido revelados, fontes da CNBC afirmam que o LinkedIn pagou mais de US$ 400 milhões pela Glint.

A compra é a maior feita pela empresa após ser adquirida pela Microsoft em 2016. O negócio fornece mais evidências de que a Microsoft quer que a rede social opere de forma independente. 

Por meio de seus planos de assinatura, o LinkedIn oferece um mercado em crescimento para a Microsoft fora de seus principais produtos, como Windows e Office.

Com a Glint, os profissionais de recursos humanos podem pesquisar funcionários e ver como diferentes grupos de colaboradores se comparam. 

Os usuários da Glint podem receber alertas quando as equipes não estão se sentindo tão bem com relação ao seu trabalho com base nos resultados, e os gerentes podem receber informações para melhorar os resultados das pesquisas futuras de suas organizações.

"Nossos insights sobre o sucesso das pessoas, juntamente com as informações mais amplas do LinkedIn sobre a força de trabalho, serão uma combinação poderosa que pode ajudar os clientes a atrair, desenvolver e reter os melhores talentos", declara Jim Barnett, CEO e co-fundador da Glint, em uma nota sobre o acordo.

Fundada em 2013, a Glint está sediada na Califórnia e possui mais de 200 funcionários. Os clientes da startup incluem Waymo da Alphabet, Dish Network e United Airlines.

Em sua última rodada de investimentos, em novembro de 2017, a Glint levantou pela última e US$ 20 milhões e passou a ser avaliada em US$ 220 milhões.