No ranking internacional de proficiência, o Brasil caiu da 40ª para a 41ª posição. Foto: Divulgação.

O Brasil registrou entre 2016 e 2017 um pequeno aumento no seu índice de proficiência em inglês, passando de 50,66 para 51,92. No entanto, o valor segue parecido com o registado em 2015, de 51,05.

Desde que conseguiu um salto de qualidade no domínio do inglês da população, há cinco anos, o Brasil se manteve estagnado no nível de proficiência "baixo" da língua, segundo os dados do Índice de Proficiência em Inglês (EPI) divulgado pela EF Education First.

No ranking internacional, o Brasil caiu da 40ª para a 41ª posição. O país ainda ficou ligeiramente acima do índice médio da América Latina, que neste ano chegou a 51,47. 

O Brasil ficou abaixo da pontuação média mundial, de 53,18 pontos, e dos países africanos (52.28).

O EPI tem cinco categorias de proficiência: "muito alta", "alta", "moderada", "baixa" e "muito baixa". Desde a criação do EPI, o Brasil sempre esteve no grupo de proficiência "baixa", com exceção de 2012, quando foi "rebaixado" à proficiência "muito baixa".

Para chegar ao nível "moderado", o Brasil precisaria subir quase dois pontos no índice.