Carlênio Castelo Branco.

A Senior, companhia catarinense de softwares de gestão empresarial, acaba de abrir uma unidade em Brasília, como foco em contratos com o governo e no mercado de Goiás.

A nova unidade conta com 120 metros quadrados, 25 postos de trabalho e fica situada no coração de Brasília, no Setor Comercial Norte, no edifício Esplanada Business. 

A operação é comandada por Marcus Vinicius da Silva, um funcionário de carreira da Senior, na qual ingressou ainda como estagiário de suporte em 2004.

“A abertura de nossa filial serve, principalmente, para que possamos atuar como agentes da mudança em relação ao ambiente regulatório e do governo, auxiliando nossos clientes de várias formas, seja com a construção colaborativa de políticas públicas ou de incentivos a transformação digital”, destaca Carlênio Castelo Branco, presidente da Senior.

A Senior está presente em cerca de 20 localidades pelo país. A decisão de abrir agora em Brasília tem a ver, como aponta Branco, como uma mudança de clima na capital federal.

Desde ainda o governo Dilma Rousseff (PT), o governo federal e seus órgãos públicos vem abandonando paulatinamente a resistência a aquisição de software proprietário que marcou a política de tecnologia petista.

As empresas da área tem respondido buscando uma aproximação. No mês passado, a Oracle abriu um laboratório em Brasília para trabalhar temas como transformação digital do setor público e cidades inteligentes. 

Também com foco no setor público, a Microsoft inaugurou, há cerca de dois anos, o seu primeiro Centro de Transparência da América Latina, localizado em Brasília. O espaço foi construído para atender a necessidades específicas de segurança do setor público.

A Senior registrou aumento de 23% em sua receita bruta no primeiro semestre de 2018, em comparação com o mesmo período do ano passado, contabilizando R$ 155,7 milhões.