Varejo pode perder menos com automação. Foto: divulgação.

A falta de tecnologias de automação fez empresas deixarem de ganhar R$ 1,7 bilhão somente em 2012, o equivalente a 1,83% do faturamento bruto do setor, que totaliza R$ 98 bilhões.

A informação foi divulgada em um levantamento do Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração (Provar/Fia). Segundo a entidade, problemas recorrentes, como a chamada quebra operacional e os furtos, podem ser contornados com a adoção de ferramentas como o código de barras e a radiofrequência.

No caso dos supermercados, a quebra operacional é a responsável pela maior parte das perdas, como mercadorias que sofrem avarias durante a movimentação, acondicionamentos inadequados, prazos de validades expirados e deterioração de perecíveis, por exemplo, o equivalente a 33,4% do total. 

O mesmo acontece no setor de construção, com 35,7% do prejuízo com quebras operacionais.

No caso de frutas legumes e vegetais (FLV) e de itens de pesos variáveis (carne, aves, peixes, padaria, embutidos, frios), o controle de prazo de validade é a maior preocupação.

No setor de vestuário, os furtos são o principal perigo, e o RFID é uma saída bastante adotada. 81% do total de empresas de vestuário declararam ter uma equipe interna apenas para evitar os prejuízos com furtos.

“A tecnologia é um dos principais aspectos que possibilita ao varejista uma gestão eficiente, com grandes reduções de desperdícios e prevenção de perdas”, destaca o coordenador de pesquisas do Provar, Nuno Fouto.

De acordo com o especialista, o principal benefício da adoção de ferramentas adequadas são as informações precisas, controle de gestão de estoques e de prazo de validade.

“Esse é um investimento que se paga se a tecnologia for bem aplicada”, acredita.