Inicialmente, a Gavea vai operar nos mercados de soja e milho. Foto: Pixabay.

A startup Gavea Marketplace está usando a tecnologia de blockchain Corda, da R3,  no desenvolvimento da sua plataforma digital de negociação de commodities.

Como a primeira do mercado brasileiro, a plataforma deve viabilizar transações diretas entre vendedores, compradores e demais participantes da indústria, automatizando o processo desde o trading até o post-trading.

De acordo com a startup, as negociações do setor de commodities ainda são baseadas em processos analógicos, com negociações feitas por telefone e muita papelada. Já a nova plataforma funcionará tanto web quanto para mobile.

Na prática, a empresa ou usuário que queira comprar soja, por exemplo, vai entrar na plataforma, indicar a quantidade e valor que deseja negociar, executar a transação, receber e assinar o contrato digital, fechando o negócio todo pela no ambiente virtual. 

Depois, é possível seguir o processo, contratando o transporte, recebendo as notas fiscais eletrônicas e executando o processo de pagamento. 

Assim, todo o processo deve ser coberto, desde a fazenda até o armazém de destino dentro do Brasil, inclusive com tracking do frete e confirmação de entrega.

"O resultado é uma grande redução de burocracia e custos transacionais e operacionais - com a desintermediação e redução de paperwork, aumentando a margem dos participantes, a segurança e a transparência", afirma Vítor Uchôa Nunes, fundador da Gavea.

Segundo a Gavea, a escolha da plataforma da R3 foi pela agilidade e preparação do time de profissionais para trabalhar com uma startup, com destaque para a questão de interoperabilidade.

"O uso do software Corda vai garantir que todas as transações realizadas na plataforma sejam imutáveis e rastreáveis, aumentando o nível de segurança e auditoria das negociações", ressalta Nayam Hanashiro, diretor de parcerias da R3.

Em processo de desenvolvimento há um ano, a Gavea é um dos 20 projetos selecionados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas  (LIFT) do Banco Central.

Neste período, foi realizada a prova de conceito com o Corda, o escopo foi calibrado e o foco também esteve em fechar negócios.

A plataforma deve ser apresentada em março deste ano para um grupo restrito. Em julho, o projeto piloto começa na Região Sul do país com este mesmo grupo e, em setembro, a Gavea entra em operação comercial.

Inicialmente, vai operar nos mercados de soja e milho, que juntos movimentam mais de US$ 60 bilhões anualmente.

Em seguida, cobrirá Paranaguá, município localizado no litoral do estado do Paraná, e Mato Grosso, ainda com os mesmos produtos, para depois incluir novos mercados, como o de algodão e de açúcar.

Já a R3 trabalha com um ecossistema global de mais de 300 participantes de diversas indústrias, dos setores público e privado. 

Este ecossistema vem desenvolvendo o Corda, plataforma open-source de blockchain, e o Corda Enterprise, uma versão comercial do Corda para uso corporativo.

Com cerca de 200 profissionais em 13 países, o time global da R3 tem o suporte de mais de dois mil especialistas em tecnologia, finanças e legislação.