PRIVACIDADE

Facebook recebia informações do BB

10/03/2014 16:11

Banco do Brasil não defende bem seus dados. Foto: Paulo Frank/ CBV / Fotospublicas.com

Tamanho da fonte: -A+A

O Banco do Brasil enviava informações das URLs acessadas pelos seus correntistas no Internet Banking para o Facebook até esta sexta-feira, 07, quando um internauta alertou sobre a prática em redes sociais.

Hisham Muhammad, um gaúcho de São Leopoldo atualmente fazendo doutorado em Informática na PUC-Rio, ficou desconfiado ao ver o logo do Facebook dentro do seu Internet Banking, analisou o código da página e descobriu a transferência de informações.

Como cada operação do Internet Banking do BB – extratos, fundos de investimento e assim por diante – tem uma URL diferente, a rede social poderia usar as informações sobre o que é acessado para completar o profilling dos usuários.

Um acesso a um fundo podendo significar uma renda mínima, por exemplo.

“Essas informações são bastante valiosas no processo de profiling”, avalia Muhammad. “Dada a capacidade computacional dos datacenters do Facebook, filtrar as URLs do maior banco de um dos maiores mercados emergentes de internet do mundo é trivial”, conclui.

Depois do post, que teve mais de 3 mil compartilhamentos e 1 mil curtidas, um representante da TI do banco entrou em contato com o pesquisador gaúcho, garantindo que a integração havia sido desativada.

“Ao meu ver não deveria ter integração nenhuma. Ou, no mínimo que não haja integração pra quem não peça explícitamente por ela”, comenta Muhammad. 

O novo site do Banco do Brasil, que aposta forte na estética das redes sociais, está no ar desde julho de 2012, mas não se sabe desde quando a integração com o Facebook estava disponível.

O maior banco brasileiro parece estar vivendo um caso de amor com o Facebook. 

Em fevereiro, no último concurso da instituição, a parte de questões sobre “domínio produtivo da informática” incluíram uma pergunta sobre qual era a ordem dos três botões utilizados para interagir com os usuários (curtir, comentar e compartilhar era a resposta, para quem pensou duas vezes).

De qualquer maneira, a indiscrição revelada por Muhammad certamente vai causar arrepios no governo federal, que detém 67% das ações do BB e, desde o escândalo de espionagem em dados de grandes empresas como o Facebook pela NSA, tem feito barulho sobre o assunto privacidade.

A presidente Dilma Rousseff chegou a manifestar publicamente que o governo poderia aprovar uma lei exigindo que os dados brasileiros fossem obrigatoriamente armazenados no país, para ficar sobre a jurisdição da legislação nacional.

O compartilhamento de informações com o Facebook é a última de uma série de falhas do Banco do Brasil quando o assunto é privacidade dos usuários.

Em dezembro, usuários do apps para iOS e Android da instituição tiveram acesso a dados de outras contas aleatoriamente.

Durante o acesso, os usuários puderam ver dados sigilosos de outros clientes, como saldo e extrato da conta. Como o banco exige o uso da senha para fazer transferências e pagamentos, os correntistas não sofreram perdas financeiras.

Em agosto do ano passado, a Folha de São Paulo revelou que a seção de seguros residenciais da agência virtual do Banco do Brasil permitia que qualquer cliente com acesso à área visualizasse CPF, nome, endereço, telefone, e-mail, agência e número da conta de outro segurado por meio de uma alteração básica no código.

Veja também

PELA METADE
Alcance de posts grátis despenca no Facebook

Alcance de posts grátis caiu de 12,05% em outubro de 2013 para 6,15% em fevereiro deste ano.

CRM
Aéreas: TI para conhecer clientes

Empresas usarão dados para conhecer preferências e necessidades dos clientes.

MOBILE WORLD CONGRESS
Whatsapp permitirá ligações

O novo modelo de ligações passará a competir diretamente com os rivais Skype e Viber.

DEVORANDO E PEDIU MORDOMO
Startups juntas para app no Facebook

Usuário pode fazer pedido e acompanhamento de entrega de refeições pela rede social.

DEZESSEIS BILHÕES!!!
Facebook mira alto com o WhatsApp

Rede social meteu a mão fundo no bolso para sedimentar e decolar de vez o seu poder no mercado mobile.