OCP pode ser uma revolução no mundo da computação. Foto: Shutterstock

O Google aderiu ao Open Compute Project, uma iniciativa lançada pelo Facebook em 2011 visando criar um novo design aberto para racks de servidores com o objetivo de cortar custos dos data centers. 

O rack proposto pelo Google distribui energia a servidores a 48 volts – sendo que o padrão em uso nos data centers atualmente é de 12 volts. A diferença ajudaria a dar mais poder computacional aos equipamentos. 

A companhia afirma que o novo design, já usado nos centros de dados do Google, é mais eficiente, pois reduz em 30% as perdas com conversão elétrica.

A maior voltagem não é única proposta da empresa, que sugere também uma configuração “mais rasa” dos racks, facilitando a acomodação em corredores mais estreitos. 

O OCP está em alta. Nesta semana, a Microsoft passou a integrar o board do programa. A Apple já havia feito a mesma coisa no ano passado. Dos grandes players, apenas a Amazon Web Services (AWS) está de fora.

O esforço por emplacar padrões abertos no segmento de computação de larga escala por parte de grandes compradores de equipamentos pode acabar redefinindo o mercado como um todo.

O Facebook ainda é cliente de players tradicionais de infraestrutura como Cisco e Arista Networks em seus data centers existentes, entretanto aos poucos está migrando para o uso do OCP.

No primeiro semestre de 2015, a companhia afirmou já ter economizado mais de US$ 2 bilhões em custos ao ter parte de sua estrutura rodando sobre o OCP.