Dennis Herszkowicz, CEO da Totvs.

A Totvs vai pagar R$ 1,86 bilhão por 92% da RD Station, uma das maiores startups brasileiras no nicho de automação de marketing digital.

Rumores sobre a venda vinham correndo desde janeiro. O negócio estaria sendo disputado entre Totvs e Locaweb.

O CEO da Totvs, Dennis Herszkowicz, não mediu palavras para definir a compra.

“Essa aquisição é a maior transação de M&A privada de software do país e expande de forma única as capacidades da Totvs no segmento de Business Performance", disse Herszkowicz. "É sem dúvida alguma, é um marco sem precedentes para consolidar um ecossistema de tecnologias B2B no Brasil e no mundo”, agregou o CEO.

A Totvs botou a mão na carteira. Em janeiro, o Estado de São Paulo falava que a venda estava sendo negociada em torno de R$ 1 bilhão.

Segundo apurou o NeoFeed, a Locaweb chegou fazer uma proposta perto de R$ 1,5 bilhão pela RD Station. 

O negócio fechado pela Totvs acabou avaliando a RD em R$ 2 bilhões, mais do que 10 vezes a receita líquida estimada pela startup para 2021. Na última rodada de investimentos, em 2019, a avaliação da RD ficava em R$ 750 milhões.

É uma avaliação melhor do que a da própria Totvs, que vale R$ 17 bilhões na B3, um pouco menos do que seis vezes a receita líquida estimada para 2021.

A parte do leão vai para os fundos Astella Investimentos, DGF, Redpoint eVentures, Riverwood, TPG e Endeavor Catalyst, que tinham 80% da empresa.

Os fundadores Eric Santos, Guilherme Lopes, Bruno Ghisi, André Siqueira e Pedro Bachiega estão vendendo metade de suas ações e continuarão na empresa até 2024, quando poderão vender o resto a um múltiplo da receita anual recorrente.

A compra é a maior da história da Totvs, quase três vezes mais do que os R$ 700 milhões pagos pela Datasul no já distante ano de 2008.

A RD é dona de uma plataforma de soluções que inclui produtos como o RD Station Marketing, de automação de marketing, e o RD Station CRM, que controla e organiza o processo comercial de médias e pequenas empresas.

A companhia tem mais de 25 mil clientes em 20 países com escritórios em São Paulo, Bogotá, México e São Francisco.

Com a RD, a Totvs amplia seu mercado potencial e as possibilidades de cross selling dos seus próprios softwares de gestão empresarial. 

Recentemente, a companhia fez outra grande tacada de diversificação, ao pagar R$ 455 milhões por 88% da fintech Supplier, entrando no segmento financeiro.

Analisando friamente, o negócio fazia mais sentido imediato para a Locaweb, que fez nove aquisições depois de abrir capital na bolsa em fevereiro de 2020, sempre focando em e-commerce, logística de sites de comércio eletrônico e marketing digital.

Nenhuma dessas aquisições, no entanto, passa perto do valor pago pela Totvs. A maior delas foi a da Vindi, uma empresa de software as a service (SaaS) que processa e faz a gestão de pagamentos recorrentes com clientes como Exame, Empiricus e a própria RD, por R$ 180 milhões.

Não é possível saber se tais considerações desempenharam um papel, mas a Totvs passou boa parte de 2020 em uma disputa com a Stone para adquirir a Linx, com uma oferta de R$ 6,6 bilhões, com boa parte do pagamento em ações de uma nova empresa a ser criada. A Stone venceu a parada.