Gyslain Raza. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Mais de dez anos depois de involuntariamente virar uma sensação na internet, Ghyslain Raza, o "Star Wars Kid", resolveu falar sobre o vídeo que mudou a sua vida.

Agora com 24 anos, Raza revelou à revista canadense L'Actuelité as dificuldades que um vídeo - que rendeu mais de um bilhão de visualizações - trouxe.
 
Na época, Raza era nada mais que um jovem de 14 anos, morando em Trois-Riviéres, no Quebec, que participava de produções de vídeo com os amigos em um clube escolar.

Um dia, apenas por brincadeira, ele ligou a câmera do estúdio da escola onde gravavam os filmes, pegou um taco de golfe como sabre de luz improvisado e imitou, de forma desajeitada, um guerreiro jedi.

Ao encontrarem a gravação no estúdio, colegas de Raza colocaram o engraçado vídeo na rede.

Em tempos pré-youtube, o vídeo Star Wars Kid foi um marco, atingindo dezenas de milhares de acessos em pouco tempo, rendendo até versões bem mais elaboradas.

O que ficou na surdina durante todos estes anos foi o impacto que este vídeo teve no cotidiano no garoto, virando um alvo do bullying.

Ao se tornar viral, Raza foi alvo de ataques violentos de chacota, dentro e fora da web.

"No refeitório, colegas subiam nas mesas para me insultar", declarou em entrevista.

Para ele, a viralização do vídeo trouxe fama, mas não de um jeito positivo. Segundo Raza, foi um "período bastante negro" em sua vida.

"Não importava o quanto eu lutava para ignorar as pessoas falando para eu me suicidar, eu me sentia inútil, como se minha vida fosse insignificante", revelou.

Na época, com o apoio de sua família, Raza chegou a exigir compensações pelos problema, processando os veículos que publicaram o vídeo, decisão que foi mal-interpretada.

"A mídia falou que estávamos sendo gananciosos. Era loucura. Não posso revelar valores do acordo, mas nenhum de nós ficou rico. O ponto era mandar uma mensagem para que todos entendessem que pessoas deviam ser mais responsáveis", disse.

Agora, após anos de terapia e reclusão, no fim do curso de direito pela McGill University, Raza afirma que decidiu quebrar o silêncio para se comunicar com outros jovens vítimas de cyberbullying.

Recentemente, casos de humilhação online levaram jovens a cometerem suicídio, como a californiana Audrie Pott, de 15 anos, que foi abusada sexualmente por três jovens e teve imagens divulgadas na rede.

Raza declarou que ao falar sobre sua experiência, pode ajudar outros a lidar com o problema, vencer a vergonha e procurar ajuda.

“Você vai sobreviver. Você vai vencer isso. E você não está sozinho", finalizou o jedi que, de certa forma, não se deixou levar pelo lado negro da força.