Jean Paul Vieira, diretor de Marketing e Produto da Senior.

Tamanho da fonte: -A+A

A Senior acaba de cruzar a barreira dos 1 mil clientes usando o seu novo sistema de gestão Senior X, parte de uma nova plataforma de produtos com os quais a empresa catarinense está fazendo uma reorganização da sua oferta e um reposicionamento no mercado.

É uma cifra significativa dos 12 mil clientes da Senior, tendo em conta que até agora o novo software de gestão na nuvem está disponível na versão completa para os clientes do segmento de manufatura e com as funcionalidades de backoffice para a base geral.

A solução atende processos de vendas e faturamento, gestão de estoques, compras e recebimento, processos financeiros e fluxo de produto, como é conhecido o fluxo de engenharia de produtos até os apontamentos na fábrica.

O ERP X é base de uma nova família de produtos baseada na chamada plataforma X, que tem em comum o fato de rodarem na nuvem e apostarem em uma arquitetura aberta, com integrações com outros produtos por meio de APIs e microsserviços.

“O ERP que atende a realidade de hoje precisa estar pronto para suportar o futuro volume de aplicativos, com experiências diversas e mudanças constantes. Investimos no novo ERP Senior X justamente para que ele seja o núcleo confiável e apto para habilitar facilmente esses novos cenários de mercado”, destaca o diretor de Marketing e Produto da Senior, Jean Paul Vieira.

De acordo com Vieira, o novo posicionamento da Senior está alinhado com o que o Gartner está chamando de Enterprise Business Capabilities, ou EBC, no qual os ERPs adquirem um novo papel como habilitador dos negócios, conectando soluções especialistas.

Nesse quadro, a Senior quer se colocar como uma habilitadora de negócios para startups que queiram desenvolver softwares para verticais. 

Vieira destaca a grande penetração das soluções da Senior em segmentos como o e-commerce, no qual se estima que 40% das vendas passem por algum software da companhia.

Outros pontos fortes são as soluções de folha, que processam salários para 6 milhões de funcionários CLT ou ainda na área de construção civil, na qual construtoras responsáveis por 200 mil unidades habitacionais usam software da Mega, uma companhia adquirida pela Senior em 2018.

Segundo o Gartner, o mercado está indo nessa direção e em 2023, 65% das organizações usarão aplicativos ERP que abrangem uma ou mais características do que a consultoria está chamando de “quarta era do ERP”.

“Queremos que o nosso ERP seja a mola impulsionadora do negócio e não uma amarra que impeça qualquer transformação”, explica Vieira. “Sem um ERP capacitado para unificar essas inovações futuras as empresas ficam à margem de ter uma grande variedade de tecnologias e aplicativos que não se conversam, e que se tornam complexos de administrar”, conclui. 

A Senior Sistemas fechou o primeiro trimestre com uma receita de R$140 milhões, uma alta de 34% em relação ao mesmo período de 2020.

Os segmentos de destaque foram cloud, com 88% de crescimento; serviços, com 34% e software para gestão, com 24,5%.

Com isso, a companhia parece bem encaminhada para bater a meta de atingir a receita de R$ 550 milhões em 2021, o que significaria um incremento de 18% frente ao resultado do ano passado.