Eduardo Vasconcellos, Jordana Souza, Luiz Moura e Luciano Brandão, fundadores da Voll. Foto: divulgação.

A Voll, plataforma para gestão de transporte corporativo, recebeu um aporte de R$ 4 milhões da Iporanga Ventures, gestora de venture capital, e da Wayra, hub de inovação aberta do grupo Telefónica.

Criada em 2017, a startup foi fundada por Luciano Brandão (CEO) Eduardo Vasconcellos (CFO), Jordana Souza (CRO) e Luiz Moura (CMO). 

Brandão já havia fundado a BTM, também de transporte corporativo, onde atuou por mais de 11 anos. Vasconcellos foi CFO e CEO da antiga empresa, onde Moura também atuou como gerente de diversas áreas. Já Souza era gerente de crescimento na Cabify.

A Voll possui atualmente 30 funcionários localizados em São Paulo, Belo Horizonte e outras cidades no Sudeste.

Entre outros serviços, a startup oferece a comparação de preços de corridas entre Uber, Cabify, Easy, Wappa e 99, prometendo uma economia média de 30% para as empresas que adotam o uso do aplicativo.

No caso da PepsiCo, cliente da startup, houve a redução de gastos com transporte em 43% a partir da adoção da tecnologia.

Além da empresa de alimentos, a Voll conta com clientes como Vivo, Sodexo, McDonald’s, IBM, Estácio, Klabin, Cargill, Heineken e ArcelorMittal.

Com a pandemia, a startup está crescendo em número de clientes, principalmente por conta das empresas de serviços essenciais que necessitam do serviço para transportar funcionários, além daquelas que têm preocupação com a redução de custos.

O novo investimento deverá ser usado para acelerar o crescimento da startup, com foco no desenvolvimento das áreas comercial e internacional.

A expectativa da Voll, que atua em mais de 60 países, é alcançar novos mercados e ampliar a carteira de clientes, saindo de 250 para 1,5 mil e chegando a até 3 milhões de pessoas e 150 mil corridas por dia.

Dentro do objetivo da startup, há ainda o lançamento previsto para este ano de novos produtos sinérgicos ao transporte terrestre. 

“Já estamos em fase final de testes e em breve compartilharemos com o mercado algumas novidades que devem criar um novo conceito de mobilidade para as empresas", conta Luciano Brandão, CEO e cofundador da startup.

Para a Iporanga, o que chamou a atenção foi a integração das ofertas de táxi com a do Uber na mesma plataforma, algo pioneiro na América Latina.

"O investimento na Voll faz parte da estratégia da Iporanga de investir em empresas que tragam benefícios tangíveis para os clientes e que sejam focadas em design de produto e experiência do usuário", conta Leonardo Teixeira, sócio do Iporanga Ventures.

Para a Wayra, os motivos da aposta vão na linha da possibilidade de proporcionar redução de despesas às empresas e no potencial de escalamento da startup, da qual a Vivo já é cliente.

“Estamos apostando na Voll por ser uma plataforma com alta capacidade de integrar modais e reduzir custo e tempo na locomoção de colaboradores, como temos feito dentro da Vivo", destaca Carolina Morandini, head de portfólio e scouting e country manager interina da Wayra Brasil.

Criada em 2011, a Wayra opera em 10 países e já investiu mais de € 45 milhões. Atualmente, 500 startups fazem parte de seu portfólio de inovação aberta global e mais de 20% fazem negócios com a companhia. 

Presente no Brasil desde 2012, já investiu em mais de 75 startups e possui 34 em portfólio. Entre as áreas mais buscadas no país estão empresas de inteligência artificial (IA), internet das coisas (IoT), data analytics avançada, cibersegurança e fintechs.

A Iporanga Ventures estreou no venture capital em 2011 e já investiu mais de R$ 500 milhões em empresas de tecnologia, entre elas a Loggi e a Quero Educação.