José Renato Hopf, CEO da 4all. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

José Renato Hopf, fundador da GetNet, se uniu a nove grupos donos de grandes marcas do fast food — como McDonald’s, Domino’s, Outback, Giraffas, Rei do Mate, Spoleto e Bob’s — para criar uma empresa de Software as a Service para gestão de pedidos on-line.

Batizada de Quiq, sua ferramenta é fruto de dois anos de trabalho da 4All, venture builder fundada por Hopf, e está em fase beta. De acordo com o site Brazil Journal, ela deve ser lançada comercialmente ainda em agosto.

A ideia do negócio é que o dono do restaurante ou o franqueado faça o upload do seu cardápio e centralize a gestão em apenas uma plataforma, que se integra a todos os marketplaces.

“Quando a pizza calabresa acaba, o gerente tem que ir em três ou quatro marketplaces ao mesmo tempo para remover aquele item”, exemplificou Hopf à publicação. A Quiq também deve ajudar nas chamadas exceções, como o hambúrguer sem picles ou o filé mal passado.

Dependendo do restaurante, esses pedidos de modificação atingem de 10% a 40% das ordens. Segundo a empresa, plataformas de delivery encaminham essas exceções de forma complicada, variando na forma de resolver.

Com a Quiq, os estabelecimentos também vão ter dados sobre o consumidor final, que hoje ficam apenas com os marketplaces.

Além disso, a startup criou uma infraestrutura que vai permitir que qualquer instituição financeira ou aplicativo crie um botão de delivery no seu aplicativo, integrando-se automaticamente ao cardápio de todos os restaurantes que habilitarem esse módulo.

Um app como o PicPay, por exemplo, poderia começar a oferecer delivery para seus mais de 50 milhões de clientes, competindo de igual para igual com empresas como iFood e Rappi.

A plataforma vai custar de R$ 50 a R$ 200 por mês, dependendo do número de módulos e do suporte contratado. Um desses módulos é de gestão logística, com uso de geolocalização para o motoboy chegar ao restaurante no momento exato em que o prato ficar pronto.

A startup já começa integrada a 5 mil restaurantes, sendo boa parte lojas dos sócios, mas em três anos a meta é chegar a 60 mil, quase 10% do mercado brasileiro. Hoje, mais de 400 mil bares e restaurantes trabalham com delivery no Brasil, de um total de 1 milhão de estabelecimentos do tipo.

Em seguida, a ideia é adaptar a tecnologia a mercados na Europa e Estados Unidos. Apesar de ter nascido com o investimento dos sócios, a Quiq já está em conversa com investidores para levantar uma rodada série A para acelerar seu crescimento.