LGPD

Banco RCI: Open Banking com PrivacyTools

10/09/2021 17:00

Solução acelerou a entrega das fases do projeto de gestão de consentimento do Open Finance.

Murilo Bruno, Diretor de Riscos e Serviços do RCI. Imagem: divulgação

Tamanho da fonte: -A+A

O Banco RCI Brasil, braço financeiro da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, adotou o sistema de Consent Management Platform (CMP) da PrivacyTools para realizar a gestão de consentimentos do sistema Open Banking.

A plataforma de privacidade tem foco na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), atuando como uma interface de gestão de autorizações com controle de proteção de dados, auditoria e sincronismo com os serviços do Banco Central.

Contando com um módulo especial para Open Banking, a ferramenta teria acelerado a entrega das fases do projeto de gestão de consentimento do Open Finance.

“Se adequar às novas iniciativas e marcos do Banco Central Brasil é um importante aspecto do nosso setor, mas temos que nos preocupar com a privacidade e proteção de dados pessoais dos nossos clientes”, destaca Murilo Bruno, diretor de riscos e serviços do RCI. 

Em 2018, a instituição já havia contratado a Privacy Tools para se adequar à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Na época, a empresa entregou ferramentas para gestão de cookies, portal de atendimento dos titulares, privacidade em aplicativos, data mapping e gestão de consentimento, além da integração com diversos softwares, inclusive o Salesforce, para reduzir ao máximo o trabalho manual.

Fundado em 1974 na França, o Banco RCI está presente em mais de 36 países em cinco continentes. No Brasil desde 2000, é responsável pelo financiamento de mais de um terço das vendas da Renault e da Nissan aos consumidores finais.

A Privacy Tools é acelerada pela Obr.global, uma consultoria de internacionalização de negócios liderada por Robert Janssen, consultor nessa área para a Softex há duas décadas, membro de diversos grupos anjos do Vale do Silício e vice-presidente de relações internacionais da Assespro.

Além do Banco RCI, a startup já tem clientes como Rede D’Or, Grupo E-sales, CRM Piperun, Grupo RBS, Senff, Farmácias São João e Synnex Corporation.

Os fundadores são Aline Deparis e Marison Souza, ambos também criadores da Maven, uma companhia especializada em ferramentas de publicação digital que com o tempo evoluiu para um grupo de empresas que inclui também a Trubr, focada em blockchain.

Depois de algumas idas e vindas, a LGPD entrou em vigor em setembro do ano passado. A lei prevê multas de até 2% do faturamento bruto anual, podendo chegar a um máximo de R$ 50 milhões para vazamentos de dados.

Veja também

DADOS
ABC Brasil: LGPD com OneTrust

Projeto no banco foi realizado em seis meses com consultoria da Compugraf.

DADOS
Igrejas fora da LGPD?

Projeto de lei coloca “entidades filantrópicas” fora da nova lei de privacidade de dados.

REGRAS
ANPD facilita LGPD para pequenos

Lei de privacidade de dados deve ter versão mais light para startups.

LGPD
A hora de medir a segurança digital da empresa é agora

O início da fiscalização da LGPD demanda que o CISO tenha clareza sobre a eficácia dos programas de segurança digital.

DADOS
GRPCom: adequação à LGPD com PrivacyTools

O conglomerado de mídia paranaense iniciou o processo no ano passado. 

LGPD
Logicalis vai vender Privacy Tools

Acordo com a integradora é um grande empurrão para a startup gaúcha.