Anilton Valverde. Foto: divulgação

A Dígitro Tecnologia, de Florianópolis, projeta triplicar em dois anos a participação das vendas externas em seu faturamento.

Hoje, a fatia estrangeira é modesta, em torno de 10% de um faturamento que no ano passado foi da ordem de R$ 120 milhões e em 2012 tem projeção de aumentar cerca de 15%, conforme Anilton Valverde, diretor Comercial da companhia catarinense.

A atuação internacional da empresa se dá, hoje, por escritórios abertos no Paraguai, em 2010, e no Peru, em janeiro de 2012, além de parceiros que levam as soluções da empresa a 11 países da América Latina e África.

Para conduzir a ampliação da operação exterior, a Dígitro transferiu todas as responsabilidades da diretoria de negócios internacionais para o vice-presidente Comercial, Luiz Augusto Pereira Martins, que passa a acumular as atribuições de sua área no Brasil e fora.

Aos poucos, segundo o VP, a meta é iniciar a substituição do modelo de parcerias pela atuação direta.

Não há datas e locais definidos, mas Valverde explica que, após amadurecidas as atuais unidades externas, o plano é chegar a mais dois out três países nos próximos três anos.

Já Martins ressalta que a instalação de escritórios internacionais irá uniformizar a política de comércio exterior da Dígitro, segundo o padrão praticado no mercado brasileiro há três décadas.

“Pelo alto nível de customização dos nossos produtos, a participação direta nas vendas se torna um imperativo, seja para viabilizar a oferta de produtos em projetos adequados ao cliente, seja para facilitar estratégias como a de locação de equipamentos em troca da receita de serviços”, assinala o VP.

Customização que, por exemplo, no Peru, já rendeu a instalação de um time de 20 colaboradores na área de desenvolvimento, responsável pela adaptação das soluções à realidade local.

Pesquisa e desenvolvimento, aliás, são outro vértice do crescimento da Dígitro – só nos últimos três anos, a companhia investiu mais de R$ 50 milhões na área, segundo o diretor Comercial.

Quanto ao portfólio, os catarinenses apostam fortes na linha de PABX Híbridos e ferramentas de contact center, principalmente com o reforço da locação de infraestrutura.

Segundo Martins, o momento também é de iniciar a oferta de soluções de inteligência para os mercados interrnacionais.

“Tanto nossos produtos de comunicação quanto de inteligência já estão em conformidade com os marcos regulatórios de todos os países da região e adaptados ao espanhol e seus dialetos”, conclui o vice-presidente.

Além da sede e das filiais internacionais, a Dígitro tem nove escritórios regionais no Brasil.

A companhia emprega 800 colaboradores diretos e mantém parcerias com centros de pesquisa como a UFSC.