Tommaso Di Bartolo, fundador e presidente do SiliconVal.ly Institute. Foto: divulgação.

O SiliconVal.ly Institute lançou no país o Brazilian Women in Tech (BRAwit), programa de aceleração para startups lideradas por mulheres, com inscrições até o dia 30 de novembro.

Este é o primeiro projeto da instituição exclusivo para empresárias brasileiras. Serão escolhidas 15 startups.

“Nós assumimos como missão capacitar as mulheres brasileiras em sua jornada em empreendedorismo tecnológico, compartilhando estratégias, frameworks, ferramentas, tecnologias e tudo que há de mais inovador no ecossistema do Vale do Silício”, explica Tommaso Di Bartolo, fundador e presidente do SiliconVal.ly Institute.

A procura é por startups de mercados altamente disruptivos como blockchain, IOT, robótica, inteligência artificial, sistemas autônomos, visão computacional e computador quântico.

Quanto ao perfil da equipe, um sócio deve ser técnico e outro comercial com características complementares.

O especialista em desenvolvimento precisará ter senso de produto afinado e paixão por resultados, além de ter a capacidade de explicar de forma simples e didática as tecnologias aplicadas.

Já o de vendas, deve ter o jogo de cintura necessário para captar clientes, engajar funcionários e conquistar investidores e fundos de investimento.

O processo seletivo durará três meses e será composto por três etapas: triagem, entrevista e pitch. As 15 melhores ranqueadas serão levadas, durante o programa, a desmontar o status quo e reconstruir sua startup em escala global.

Para isso, o programa que une mentoria e networking em reuniões semanais, online e offline, para workshops e reuniões com empreendedores, executivos, investidores e influenciadores vinculados a unicórnios, Venture Capital e multinacionais do ecossistema do Vale do Silício.

“A cada encontro, elas serão levadas a sair de sua zona de conforto e implementar as mesmas práticas de inovação que utilizamos no Vale do Silício em seu modelo de negócios, tecnologia, desenvolvimento do produto, propriedade intelectual e na estratégia go-to-market e fundraising”, pontua Di Bartolo.

O BRAwit contará com duas fases. A primeira será remota, de janeiro a março de 2020, sendo encerrada com um DemoDay para investidores anjos e fundos de investimento nacionais e internacionais.

Já a segunda levará as cinco melhores startups para aceleração no Vale do Silício, de maio a julho do mesmo ano.

Ao final do período de imersão, também participarão de um DemoDay, mas desta vez, em São Francisco.

Além disso, as participantes do BRAwit receberão o Selo “We are SiliconVal.ly”, representando que é startup membro, o que as garantirá acesso vitalício a eventos exclusivos e uma rede de networking.

O SiliconVal.ly é um instituto especializado em impulsionar a inovação de empresas e startups, em especial na Ásia, África e América Latina, via programas de aceleração compostos por uma rede de mentores da vanguarda do Vale do Silício.

A instituição já acelerou mais de 800 startups ao redor do mundo, que juntas levantaram cerca de US$ 100 milhões em investimento.

Entres os parceiros do SiliconVal.ly Institute estão Amazon, Hubspot, Awesm Ventures, 99 designs, FbStart - aceleradora do Facebook -, Google Developers Launchpad Accelerator, Draper University e UC Berkeley, The Alchemist  Accelerator, Koshla Ventures e Draper Venture Network. 

No Brasil, as mulheres representam apenas 20% dos mais de 580 mil profissionais que atuam no mercado de Tecnologia da Informação.