Com a nuvem elástica da Oracle, tá tudo colorido na Claro. Foto: Flickr.com/dave_wilcox/2530903695/

A Claro implementou o Oracle Exalogic Elastic Cloud, sistema de hardware e software integrados que amplia o desempenho de todos os softwares da Oracle, inclusive aplicativos desenvolvidos em Java, linguagem patenteada pela multinaicional americana.

O diretor de Infraestrutura da Claro, Sandro Trindade Araújo, conta que o sistema substituiu a infraestrutura que mantinha o principal aplicativo de VAS da operadora, responsável pela comunicação entre as áreas de TI, engenharia e parceiros.

A estrutura gerenciava todo o volume de operações feitas pelos mais de 63 milhões de clientes da companhia todos os dias e, segundo Araújo, apresentava problemas de capacidade e expansibilidade.

“Isso impactava em uma das principais apostas de receita da companhia: a ampliação dos serviços prestados aos consumidores”, comenta ele.

Em agosto deste ano, a empresa migrou todas as suas cargas para o Exalogic Elastic Cloud, e, com isso, obteve folga de processamento.

“Antes, registrávamos algumas perdas no mapeamento de transações. Com a solução da Oracle, esta marca caiu para zero, representando incremento importante no volume de transações de negócio processadas diariamente, além de reduzir tempo de resposta”, ressalta Araújo.

ENGINEERED SYSTEMS
Antes da solução de nuvem, a Claro já havia comprado um Oracle Exadata Database Machine, que oferece suporte à sua ferramenta de BI.

Segundo Araújo, a máquina permitiu à tele apresentar para as áreas de negócios os números de tráfego telefônico no mesmo dia de seu processamento, o que antes só era possível após as oito horas da manhã do dia seguinte.

A Claro também usa o Exadata Database Machine nos sistemas fiscais, o que agilizou a emissão de relatórios da área.

“A implementação destas duas tecnologias da Oracle foi ágil, pois os sistemas estão pré-configurados e integrados”, destaca o diretor de Infraestrutura da operadora.

Já Rodrigo Galvão, diretor de Vendas de Contas Estratégicas para o Setor de Telecomunicações e Mídia da Oracle Brasil, explica que, para identificar como a tecnologia se sairia na Claro, foram feitos testes com um terço da carga de trabalho.

“O setor de telecomunicações precisa administrar gigantescos volumes de dados e reforçar a infraestrutura de TI, com soluções analíticas, ágeis e de excelente desempenho”, ressalta Galvão.

Presente em mais de 3,6 mil municípios do país com as tecnologias GSM e 3G Max, a Claro possui acordos de roaming em mais de 160 países para serviços de voz e em mais de 140 para tráfego de dados.

A operadora, que é controlada pela América Móvil, incrementa as carteiras de cloud computing e Big Data da Oracle, vedetes da estratégia de crescimento da multinacional.

No primeiro trimestre do ano fiscal 2013, a linha de sistemas projetados da Oracle, que focam a oferta em nuvem, cresceu mais de 100% na comparação anual, e as vendas devem dobrar novamente no total do ano, ultrapassando receita de US$ 1 bilhão.

Conforme o presidente da multi, Mark Hurd, as linhas Exadata, Exalogic e Exalytitcs também cresceram mais de 100% no trimestre, na relação ano/ano.

“Nossos novos negócios de cloud computing estão se aproximando da cifra anual de US$ 1 bilhão. Estas linhas vão impulsionar nosso crescimento nos próximos anos”, afirmou o presidente.