Katia Galvane. Foto: divulgação.

A Tacira, empresa brasileira especializada em projetos para cidades inteligentes, firmou um acordo com o Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel), para um programa de intercâmbio cientifico e tecnológico.

O acordo abrange atividades de pesquisa, desenvolvimento, inovação, serviços e formação, com o objetivo de fomentar a evolução teórica e prática das cidades inteligentes no Brasil.

Um dos pilares da parceria será a criação de um Living Lab no campus do Inatel, localizado em Santa Rita do Sapucaí, interior de Minas Gerais, que viabilizará a construção de um ecossistema de fornecedores e tecnologias para smart cities. Neste novo ambiente, será possível implantar, testar e operacionalizar diferentes tecnologias e soluções, garantir sua interoperabilidade e aferir os resultados esperados.

A aliança propiciará também a criação de um centro de formação e treinamento focado no desenvolvimento, operação e implantação de cidades inteligentes.

O Inatel formatará cursos de extensão abordando temas ligados a smart cities e, em uma nova etapa, cursos de especialização lato sensu devem ser oferecidos pelo instituto.

De acordo com Leandro Guerzoni, Gerente de Desenvolvimento de Negócios do INATEL, a instituição pretende absorver, desenvolver e multiplicar conhecimentos aplicados à área de cidades inteligentes.

“Um de nossos objetivos é nos tornar referência em P&D na área de cidades inteligentes. Para isso, pretendemos criar uma nova área de atuação acadêmica, dedicada ao desenvolvimento e a gestão de cidades inteligentes”, explica.

Por meio da parceria a Tacira pretende colaborar com criação de padrões e indicadores para o mercado brasileiro de smart cities, apoiando a criação de uma nova área de atuação acadêmica.

“Nosso intuito é contribuir para o crescimento e amadurecimento deste mercado, conhecer a fundo as soluções disponíveis, qualificar fornecedores e potenciais compradores, desta forma, além de um provedor de soluções nos tornaremos uma referência que também poderá atuar de maneira consultiva”, finaliza Kátia Galvane, CCO da Tacira.