João Araújo.

Tamanho da fonte: -A+A

João Araújo, ex-VP da SAP para Customer Experience, acaba de assumir como head de vendas para América Latina da Slack, liderando um time que a multinacional montou discretamente no país nos últimos meses.

Araújo esteve nos últimos dois anos e meio na SAP, onde também foi VP para a linha Quatrics.

Antes, Araújo foi ainda diretor de vendas para o Brasil da Medallia, uma multinacional americana focada no tema gestão de experiência de clientes e funcionários.

Araújo foi ainda diretor de desenvolvimento de negócios do Gartner e alternou passagens pela área comercial da Oracle e Dell.

Segundo a reportagem do Baguete pode averiguar, o Slack se mexeu no Brasil nos últimos tempos, fazendo seis contratações para a área comercial nos últimos seis meses, construindo uma presença local.

As contratações incluem Vinicius Bagnarolli (ex-Oracle e Dell), para o cargo de executivo de grandes contas; Lucas Zvinakevicius (ex-Uber e Linkedin), para o mercado enterprise.

Matheus Santilli (ex-Intralinks e WeWork e Oracle) e Adriano Parisi Barreiros (ex-Twillio e Linkedin) foram contratados para serem executivos de contas no midmarket. 

Também entraram no time as executivas de contas Anna Carolina Mansília (ex-gerente de contas no Facebook e Microsoft); Larissa Silva Lenhart  (ex-Facebook e Oracle).

A experiência de Araújo na SAP e na Medallia, assim como as passagens de integrandes do time comercial por empresas como Linkedin, Twillio, Facebook e Oracle, mostram as ambições da nova fase do Slack.

Originalmente uma ferramenta de comunicação interna muito usada em times de TI, o Slack incrementou tremendamente o seu leque de possibilidades e cresceu muito depois da aquisição pela Salesforce, em dezembro de 2020.

Para quem esqueceu: a Salesforce pagou nada menos que US$ 27,7 bilhões pelo Slack, o que é o maior negócio já fechado pela gigante de CRM.

Foi também um dos maiores do setor de tecnologia como um todo, taco a taco com a aquisição da Red Hat pela IBM, fechada por US$ 34 bilhões no ano passado, ou a compra do Linkedin pela Microsoft em 2016, que custou US$ 27 bilhões.

A meta da Salesforce é concentrar funcionalidades de comunicação dentro do seu CRM, o que a tornaria um competidor temível para players focados no aspecto de comunicação corporativa, assim como para os focados no espaço de gestão de relacionamento com consumidores.