João Carlos de Oliveira, presidente da GS1 Brasil. Foto: Baguete

A GS1 Brasil lançou nesta terça-feira, 11, o Cadastro Nacional de Produtos, plataforma baseada em Internet quer roda na nuvem Azure, da Microsoft, e tem recursos para gestão e controle de numeração de mercadorias cadastradas nos padrões globais.

Criado pela equipe de Inovação da GS1 Brasil, que fica alocada no departamento de TI, em São Paulo, a nova ferramenta substitui o SGN – Sistema de Gerenciamento de Números, que tem a mesma função, mas funciona instalado no computador do usuário, obrigando-o ao armazenamento tanto do programa, quanto das informações geridas.

O sistema brasileiro permite inserir e manter as listas de produtos cadastrados na nuvem, o que algumas outras GS1, como as do Canadá e Estados Unidos, já ofereciam, mas acrescenta recursos inéditos, como informações sobre dimensões dos produtos, acesso a páginas de promoções relativas aos itens, imagens e URLs relacionadas.

“É um sistema inovador, que já foi lançado com módulo de tradução, pronto para ser implantado por qualquer uma das 150 unidades da GS1 em todo o mundo”, comenta Wilson Cruz, assessor de Inovação e Alianças Estratégicas da entidade brasileira.

Segundo o presidente da associação no país, João Carlos de Oliveira, o CNP proporciona aos associados da instituição, que somam 57 mil no Brasil, benefícios como o cadastro da numeração de produtos e localizações físicas dos mesmos em âmbito mundial – respectivamente, em acordo com o GTIN (Número Global de Item Comercial) e o GLN (Número Global de Localização).

“Com o novo sistema, o associado pode cadastrar mais de um usuário para controlar a numeração das mercadorias, além de gerar etiquetas, extrair relatórios, entre outras funcionalidades”, ressalta Oliveira.

Para utilizar a ferramenta em nuvem, basta o associado solicitar à GS1 acesso ao sistema, que não tem custo algum.

A GS1 Brasil não tem dados sobre quantos usuários estão no SGN atualmente, já que cada associado pode ter mais de um cadastrado. O certo é que a troca do sistema pelo novo CNP será gradativamente obrigatória: por hora, ambos os sistemas se mantêm em funcionamento simultâneo, mas a ideia é descontinuar o primeiro até o fim deste ano.

“Para auxiliar no processo, disponibilizaremos aos associados e à toda a comunidade de negócios orientação sobre o CNP, por meio de guias, assessoria técnica e atendimento telefônico”, finaliza o assessor de Inovação.

Gláucia Civa cobre o Brasil em Código - Conferência Internacional da GS1 Brasil sobre Automação e Logística a convite da GS1 Brasil.