Giovanna Ewbank caprichou na pose com o carro elétrico da Renault. Foto: Instagram.

O governo de Pernambuco proibiu a entrada de carros, motos, ônibus e caminhões que emitem dióxido de carbono em Fernando de Noronha a partir de 10 de agosto de 2022, permitindo apenas a circulação de unidades já presentes na ilha. 

A nova legislação ainda prevê, de 2030 em diante, a retirada da ilha de todos os veículos movidos a gasolina, álcool e óleo diesel.

Na assinatura do decreto-lei também foi divulgado o número de autorizações ecológicas que serão concedidas para quem quiser obter um veículo em acordo com as especificações ambientalmente corretas.

Dessa forma, a ilha, distante 350 quilômetros da costa brasileira, se torna o primeiro local do país a ter uma meta estabelecida para a erradicação de motores de combustão interna. 

O local é bastante apropriado para ser o ponta-de-lança da eletrificação veicular no Brasil. Primeiro, porque é um paraíso na Terra que naturalmente clama por preservação - e pega bem ter carros que não emitem fumaça por lá. 

Segundo porque, de uns anos para cá, Noronha se tornou um dos destinos turísticos mais populares no país para uma horda de ricos muito ricos, que formam boa parte do público anual de 100 mil pessoas que visita o local. Basta fazer uma pesquisa rápida no Instagram para perceber (#noronhese). 

Como os carros elétricos ainda são de três a quatro vezes mais caros que um similar convencional, Noronha tem de tudo para ser um hot spot de vendas para os elétricos per capita.

O arquipélago tem se tornado uma espécie de laboratório utópico-distópico para produtos e serviços de ponta. 

No último verão, a Visa, em parceria com a GetNet e NetPDV, lançou em caráter experimental o NADA, que nada mais é do que uma pulseirinha à prova d´água para pagamentos por aproximação. 

Já no último sábado, 8 de junho, os primeiros carros 100% elétricos para a Administração de Fernando de Noronha foram entregues pela Renault. Os seis veículos – 3 Zoe, 2 Twizy e 1 Kangoo Z.E. – foram cedidos para uso oficial da administração local em regime de comodato. 

No Brasil, a Renault comercializa desde 2013 veículos elétricos para empresas e projetos de mobilidade sustentável.

São cerca de 20 clientes e parceiros nesses projetos, como Porto Seguro, Fedex, CPFL e Itaipu, entre outros. Ao todo já são mais de 200 veículos elétricos Renault em circulação no país, o que, de acordo com a montadora, a torna  "líder de veículos 100% elétricos também no Brasil". 

A parceria da Renault com a Administração da ilha faz parte do Projeto Noronha Carbono Zero, para a circulação dos carros 100% elétricos em Fernando de Noronha, considerado Patrimônio Mundial da Humanidade desde 2001 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Evidentemente, esta boa ação não passou batida. A montadora aproveitou a ocasião para propagar nas redes e contou com digital influencers como a atriz global Giovanna Ewbank para fazer a divulgação. 

* Carlos Martins é idealizador da E-24, a primeira corrida de carros 100% elétrica do Brasil e escreve para o Baguete sobre temas relacionados com indústria automobilística e mobilidade. Confira o blog da E-24.