Baguete
InícioNotícias> CargoX: oferta agressiva em fretes

Tamanho da fonte:-A+A

LOGÍSTICA

CargoX: oferta agressiva em fretes

Júlia Merker
// quinta, 11/08/2016 15:11

A CargoX, que opera uma plataforma conectada a uma rede de mais de 100 mil caminhoneiros autônomos, aposta em uma estratégia agressiva para acelerar seu  crescimento.  

Federico Vega, CEO da CargoX. Foto: Divulgação.

Um programa lançado neste mês pela empresa está cadastrando parceiros comerciais para atuarem como representantes de fretes fechados, com divisão de 50% dos lucros obtidos com esses vendedores.

A empresa afirma que o número é mais de 10 vezes maior que o praticado pelo mercado. 

Com a iniciativa, a companhia espera aumentar sua arrecadação em cerca de R$ 38 milhões até o final de 2017, cadastrando 100 profissionais com carteira própria de clientes e experientes em negociar cargas em todas as regiões do Brasil.

A CargoX utiliza tecnologia com o objetivo de reduzir os custos de transporte, utilizando a capacidade excedente existente dos caminhões e melhorar a visibilidade do frete.   

Segundo a CNT (Confederação Nacional do Transporte), o setor de transporte rodoviário de cargas teve uma retração de 10% na demanda no primeiro semestre deste ano se comparado ao mesmo período de 2015. 

“Neste cenário, algumas empresas param de prospectar e mantém só os clientes que são mais rentáveis para não ter que investir. Nós justamente acreditamos que esta é uma boa oportunidade para continuarmos crescendo de forma exponencial com uma forte atuação comercial em todo território nacional”, comenta Federico Vega, CEO da CargoX.

A CargoX tem investidores internacionais como o banco Goldman Sachs, que recentemente liderou um aporte total de R$ 49 milhões. 

“Esse investimento dará suporte as nossas estratégias de crescimento. Queremos levar oportunidades melhores para os embarcadores moverem suas cargas”, completa Federico Vega.

Desde a sua chegada ao mercado brasileiro de transportes rodoviários de cargas, em março, a CargoX tem registrado um crescimento médio de 57% ao mês e tem previsão de faturar mais de R$ 50 milhões até o final deste ano.

Júlia Merker