Centro de Florianópolis, capital catarinense. Foto: flickr.com/photos/@N02

Um levantamento realizado pelo InfoSaveMe avaliou a posição das capitais do sul do país entre os consumidores de tickets de compras coletivas. Segundo o estudo, Porto Alegre e Curitiba levam um banho de Floripa na proporção das compras per capita.

No âmbito nacional, o setor fechou o primeiro semestre de 2012 com faturamento de R$ 731,7 milhões. Deste valor, aproximadamente R$ 30,6 milhões foram gastos pelos moradores de Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba.

A capital catarinense tem o 12º lugar no ranking de faturamento, com R$ 9,56 milhões e 221.022 cupons vendidos, com um ticket médio de R$ 43,29.

Até aí, nada muito impressionante. Mas se compararmos a população de Florianópolis, de 427 mil habitantes, com os 1,4 milhões de Porto Alegre e 1,7 milhões de habitantes de Curitiba, a participação da capital catarinense fica bem mais evidente.

Comparando o número de cupons comprados com a população de cada capital, em Floripa, podemos dizer que cerca de 51% dos habitantes adquirem cupons em sites de compras coletivas. Em Curitiba, o número é de 13% e em Porto Alegre o percentual fica em 23%.

NO DETALHE
Porto Alegre ocupa a nona posição no ranking de faturamento. De janeiro a junho de 2012, as compras coletivas movimentaram na cidade um montante de R$ 11 milhões, gerando mais de R$ 28,2 milhões de economia aos consumidores. No total, foram 325,422 cupons vendidos, com um ticket médio de R$ 33,90.

Curitiba ocupa o 10º lugar no faturamento, com R$ 9,9 milhões e 230.436 cupons vendidos. O número de cupons vendidos é menor, mas o gasto por pessoa é maior, com um ticket médio de R$ 43,31.
 
CRESCIMENTO
Mesmo com o momento de crise na economia  mundial, os resultados do primeiro semestre do setor apresentaram um crescimento de mais de R$ 14 milhões em relação ao mesmo período de 2011.

Para a segunda metade do ano, a expectativa é que o mercado siga aquecido e finalize 2012 com um crescimento de 5% a 10% no faturamento em comparação ao ano anterior, que correspondeu a R$ 1,5 bilhão.