Jorge Ávila.

O Instituto Nacional de Propriedade Industrial – Inpi, responsável pelo reconhecimento de patentes no Brasil, é uma “calamidade”.

Quem disse foi nada menos que o presidente do Inpi, Jorge Ávila, que esteve no Congresso Nacional falando em uma audiência para discutir o sistema de propriedade intelectual nesta terça-feira, 10.

“O panorama geral é triste. É uma calamidade. Estamos com demora na concessão de patentes de mais de 12 anos nos campos de eletrônica e telecomunicações. É um backlog muito grande e crescente”, lamentou Ávila, segundo relata o site brasiliense Convergência Digital.

De acordo com Ávlia, a média entre os escritórios de patentes da Coreia, Japão, China, Estados Unidos e Europa é de quatro anos.

O INPI já modernizou seu sistema de pedidos, com a meta de reduzir o prazo médio das patentes em geral, de 10 anos, à metade. Outra medida é chegar aos 700 analistas, dos quais ainda faltam por contratar mais da metade, 422.