Sonho pode acabar na chegada. Foto: Pixabay.

O número de estrangeiros barrados ao tentarem entrar em Portugal pelo aeroporto de Lisboa saltou 74% nos oito primeiros meses deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, em um total de 2.209 

A grande maioria dos afetados é do Brasil: sete em cada dez pessoas recusadas pelo país ainda no aeroporto são brasileiras.

Os dados são do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) de Portugal e foram divulgados nesta sexta-feira, 05, pelo jornal português Expresso.

Em média, mais de seis brasileiros foram barrados por dia em Portugal.

Segundo o Expresso, a chegada de cidadãos do Brasil a Portugal é facilitada pelos mais de trinta voos semanais que partem diretamente de cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza e Recife.

Nos aeroportos, as principais causas para a recusa de estrangeiros são a ausência de visto válido ou adequado, bem como a incapacidade de provar condições de estadia no país como uma reserva de hotel ou dinheiro (são requeridos no mínimo 40 euros por dia de permanência).

O Expresso relata também outros critérios que intrigam as autoridades no controle de imigração dos aeroportos, como famílias com crianças que dizem viajar a turismo em pleno período de aulas ou homens casados que viajam de férias sem levar a família.

Nos últimos anos, com a crise econômica no país, Portugal voltou a figurar nos sonhos de brasileiros em busca de perspectivas fora, muitos deles de classe média e alta.

Ao todo, 85 mil brasileiros moram no país, um aumento de 5,1% em comparação com 2016. O número, que não inclui detentores de passaportes europeus e ilegais, é 20% do total de imigrantes no país.

Além dos barrados na porta, outro grupo de brasileiros está vendo o sonho dourado ruir: os dos que decidem regressar.

Entre janeiro e junho deste ano, 222 brasileiros desistiram de morar em Portugal e voltaram ao Brasil com as passagens pagas pelo governo português, por meio do programa de Apoio ao Retorno Voluntário e à Reintegração (Árvore).

É quase o mesmo número que em todo o ano passado, quando 232 pessoas fizeram uso da possibilidade, segundo relata uma matéria do UOL.

Apesar de corresponderem a 20% dos estrangeiros morando em Portugal, os brasileiros respondem por 86% dos pedidos de auxílio para voltar para casa.