Peggy De Lange, VP de expansão internacional da Fiverr. Foto: divulgação.

A Fiverr, plataforma israelense para freelancers, anunciou a sua chegada ao Brasil ao lançar seu site em português, que passa a aceitar transações em real por cartão de crédito ou boleto.

O país é a primeira aposta da empresa na América do Sul, seguido pelo México, que deve ter uma versão local da ferramenta ainda nesta semana. Até agora, a companhia tinha operações somente nos Estados Unidos e na Europa. 

A Fiverr tem 10 anos de atuação e captou US$ 11 milhões em seu IPO, que aconteceu em 2019 na Bolsa de Valores de Nova Iorque. Ela conecta empresas e freelancers por meio de um modelo de Service as a Product (SaaP), similar a um marketplace.

São mais de 400 categorias diferentes de profissionais freelancers em oito verticais, como design gráfico, marketing digital, programação e tecnologia, música e áudio, redação, tradução, vídeo e animação.

Na plataforma, o profissional define preços e escopo do trabalho para todas as ofertas de serviço disponíveis. Depois, a Fiverr envia a demanda diretamente para ele, sem necessidade de seleções ou propostas de trabalho.

A empresa gera receita com uma taxa de 5% sobre cada serviço contratado, que é cobrada dos compradores. Para transações abaixo de US$ 40, a taxa mínima é de US$ 2.

Entre setembro de 2019 e setembro de 2020, mais de 3 milhões de clientes compraram serviços de freelancers em mais de 160 países, uma tendência que ganhou maior força por conta da Covid-19.

No segundo trimestre de 2020, o registro de novos freelancers na plataforma teve aumento de 68% sobre o mesmo período do ano passado.

"Já enxergávamos no Brasil um cenário promissor para essa nova forma de trabalhar e a pandemia fez com que mais pessoas buscassem outras maneiras de exercer suas atividades e gerar renda”, explica Peggy De Lange, VP de expansão internacional da Fiverr.

A empresa espera uma grande adesão nos próximos meses, uma vez que mais de 3 milhões de brasileiros ficaram sem emprego em função da Covid-19, conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em relação aos contratantes, o foco será nas pequenas empresas, que representam 96,6% do total das companhias brasileiras e devem encontrar os serviços que precisam de acordo com os valores que puderem custear no momento.

Para que pequenos empreendedores possam passar pela transformação acelerada pela pandemia, a Fiverr está oferecendo um programa global de microcrédito de US$ 1 mil (cerca de R$ 5.370).

O dinheiro deve ser utilizado dentro da plataforma para contratação de profissionais que possam auxiliar no processo de digitalização, como a construção de websites mais modernos ou na melhoria da imagem dos produtos e serviços.

Qualquer negócio pode se candidatar ao programa de microcrédito uma vez por mês.

Segundo o site Neofeed, a estratégia não envolve o investimento em uma estrutura local para tocar o negócio. O trabalho está sob a responsabilidade de um time locado na sede da Fiverr em Tel Aviv, que conta com profissionais brasileiros e atua em conjunto com as equipes globais de áreas como marketing e de crescimento.