NUVEM

Cielo escolhe AWS

11/11/2021 14:08

Gigante de nuvem fecha novo grande nome, depois de levar o Itaú.

Cielo é uma gigante em processamento de pagamentos. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Cielo escolheu a AWS como “sua principal provedora de serviços de nuvem”.

A decisão foi divulgada em uma nota da AWS para a imprensa, sem maiores detalhes do que isso significa, ou qual é a duração do contrato.

A única informação mais prática é que a Cielo começou a migrar 900 servidores para a nuvem da AWS, o que de repente não é tanta coisa assim, falando da maior empresa de processamento de pagamentos do país.

Outra dado mais concreto é que 200 colaboradores da Cielo receberão treinamento da AWS em temas como arquitetura, desenvolvimento e dados.

“A AWS não só permitirá que a Cielo aperfeiçoe seu atendimento no universo da adquirência, como também vai potencializar a oferta de uma quantidade maior de serviços de valor agregado”, afirma Júlio Gomes, vice-presidente de Experiência do Cliente da Cielo.

A Cielo já fez algumas experiências com a AWS no ano passado, como um projeto focado em viabilizar que beneficiários do auxílio-emergencial realizassem pagamentos por meio do app da Caixa Econômica Federal.

Em outra frente, novas funcionalidades para os aplicativos da Cielo passaram a ficar prontas em uma semana com a utilização das ferramentas da AWS, ante um mês quando o desenvolvimento ocorria on premises.  

Seja qual for o tamanho do contrato na prática, o Cielo é mais um grande nome do setor financeiro divulgado pela AWS.

Em maio, a C6, fintech fundada por ex-sócios do BTG Pactual, contratou a AWS como seu provedor de nuvem preferencial em um acordo de longo prazo.

A AWS também fechou contratos com o Digio, plataforma criada pelo Bradesco e pelo Banco do Brasil, e o Fibra, focado em grandes e médias empresas dos setores de agronegócio e corporativo.

A maioria dos nomes é de operações do tipo fintech ou com infraestruturas médias.

Com o Cielo, a AWS mostra que também está conseguindo entrar em organizações de porte muito maior.

A origem da Cielo é a Visanet, empresa fundada em 1995 por grandes bancos brasileiros, que, junto com a Redecard (hoje Rede), foi na prática um duopólio até 2009, quando acabou a exclusividade que as empresas tinham com Visa e Mastercard,respectivamente.

É uma empresa que joga na mesma divisão do Itaú, que é provavelmente o maior cliente da AWS e um dos maiores contratos de computação em nuvem já fechados no país.

O Itaú fechou um contrato de 10 anos com a AWS em 2020, com objetivo de migrar 50% da infraestrutura do banco para a nuvem até o fim de 2022.

O banco vai migrar suas principais plataformas bancárias, soluções de call center, aplicativos bancários on-line e móveis para a AWS.

O projeto inclui tecnologias de analytics, machine learning, serverless, contêineres, banco de dados gerenciado, processamento, armazenamento e segurança. 

Veja também

BOLSA
GetNet: no meio do caminho

Empresa é mais interessante do que a Cielo, mas ainda fica muito abaixo da Stone.

CARTÕES
Elo previne fraudes com FICO

A plataforma adotada identifica novos padrões de crimes financeiros.

CONTRATAÇÃO
Campos, ex-Serasa, assume TI do BV

Executivo experiente assume a tecnologia do ex-Banco Votorantim.

CONTAS
Conheça o time de tecnologia da N26

Fintech alemã já tem heads de tech, user experience e data no Brasil.

ESTRATÉGIA
Stone compra 22% da Reclame Aqui

Empresa de maquininhas segue se mexendo no varejo depois da compra da Linx.

SEXTOU
Itaú zera contas de clientes

Sistemas do banco decidiram dar um susto nos correntistas na sexta-feira.