Frederico da Silva Leon. Foto: Reverso Comunicação.

O nexo entre mobilidade, ferramentas sociais, cloud computing e informação é a ordem global para o bom funcionamento integrado entre TI e negócio.

A sentença é de Frederico da Silva Leon, analista principal do Gartner para infraestrutura e software que palestrou durante evento realizado pela Sucesu-RS em Porto Alegre nesta sexta-feira, 12.

“Tem de haver um nexo entre estas forças, construindo, munindo e transformando o comportamento do usuário enquanto se cria novas oportunidades de negócio”, teorizou o especialista.

Silva Leon avalia que há cerca de dez anos era impensável imaginar o poder e penetração das plataformas móveis no ambiente corporativo, ao passo que hoje é preciso não apenas ter esta percepção, como também entregar soluções neste âmbito ao usuário interno e externo.

E se há o limão da mobilidade, faça-se a limonada, usando-a como uma plataforma para entrega de conteúdo, ferramentas e recursos, no que se incluem as redes sociais, tal e qual se deve fazer com a nuvem. E olha o nexo aí, gente...

“Quando se fala em social, é preciso pensar além do modelo Facebook. Você pode ter ferramentas internas e externas, para lidar com todos os públicos, muito úteis neste âmbito. Por exemplo, se você atua no governo, uma ferramenta social pode te dar o feedback dos cidadãos e ajudar a atendê-los, resolver problemas, fornecer serviços, evitando, inclusive, que eventuais reclamações se tornem atos mais drásticos”, ressaltou o analista.

No conceito de Silva Leon, a nuvem é a plataforma para o social, assim como também o é o mobile, mas este é também o meio de acesso para o usuário. Tudo integrado.

E como isso chega ao tema título da palestra do expecialista para a Sucesu-RS – “O Impacto do Nexo das Forças nos Data Centers”?

Bem. Comecemos pelo dado trazido pelo analista de que entre 80% e 90% do conteúdo produzido em plataforma móvel e social hoje não é estruturado.

Tudo isso precisa de espaço de armazenamento, e, principalmente, de bases de dados analíicas, para que se possa extrair o suprasumo útil às corporações.

E se a necessidade de armazenamento cresce, o data center aparece e o nexo faz sua entrada triunfal no palco da sustentabilidade agregada a bons resultados de negócio.

“As respostas para agir com nexo no data center são ter bases em estruturas menos rígidas, com mais atenção ao virtual e a software, atentar para os recursos da cloud computing e apostar em frameworks sustentáveis, gerenciamento móvel e computação aberta”, afirmou o analista.

Mas o pulo do gato está em não pensar cada um destes elementos, ou em todos eles, quando os problemas ocorrerem. É necessário ter um planejamento estratégico que vá agregando nexo aos data centers de forma gradativa e irreversível.

“Armazenamento, mobilidade, informação, isso são aplicações críticas. Às vezes vejo um data center como uma coleção de aquecedores caros. Temos de pensar além da refrigeração, concentrando esforços em pensar estruturas que permitam expandir a capacidade de armazenamento sem onerar demais em custos de energia. O nexo é fundamental”, finalizou.