A Verizon fechou um acordo para comprar a AOL por US$ 4,4 bilhões. Foto: Tupungato/Shutterstock.

A Verizon Communications fechou um acordo para comprar a AOL por US$ 4,4 bilhões. O objetivo da gigante de telecomunicações é crescer na área de vídeos para mobile e publicidade.

O negócio dá à Verizon, que mira ingressa em um já lotado mercado de vídeos online, o acesso à tecnologia avançada que a AOL tem desenvolvido para venda de anúncios e entrega de vídeos de alta qualidade na web.

O segmento de telefonia móvel dos EUA amadureceu nos últimos anos, deixando operadoras como Verizon, AT&T e Sprint cada vez lutando mais para roubar quota de mercado das outras. 

Assim, para o Wall Street Journal, a oferta de vídeo digital por conexões sem fio representa uma avenida de crescimento nos próximos anos para a Verizon, que no ano passado registrou US$ 127 bilhões em receita e lucro de US$ 12 bilhões.

A Verizon anunciou que planeja lançar um serviço de vídeo focado em dispositivos móveis nos próximos meses, mas não detalhou os planos. No mês passado, o CFO do grupo, Fran Shammo, disse que o serviço irá oferecer um mix de conteúdo pago, livre e com suporte para propaganda, que não tentará replicar a TV tradicional.

Para a AOL, a venda é o mais recente capítulo para uma empresa que se transformou nos últimos anos em um player importante em mídia digital e marketing, após ser fundada como pioneira no negócio de acesso à web dial-up e de estar envolvido em uma das mais desastrosas fusões corporativas já feitas - com a Time Warner, que durou de 2000 a 2009.

A partir de 2009, a empresa investiu fortemente em tecnologia para anúncios. Em 2013, a AOL adquiriu a Adap.tv, uma "bolsa" que conecta compradores e vendedores de publicidade em vídeo online.

Em 2014, a AOL gerou uma receita de US$ 2,5 bilhões, cerca de 9% superior ao valor registrado no ano anterior. O lucro da companhia ficou em US$ 126 milhões.