ADEUS CHINA

Trump quer mais fábricas de semicondutores

12/05/2020 10:17

Governo está negociando novas instalações da Intel e da TSMC nos Estados Unidos.

Trump estaria preocupado com a cadeia de suprimentos. Foto: flickr.com/photos/whitehouse.

Tamanho da fonte: -A+A

Os Estados Unidos estão em negociações com a Intel e a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), que produz chips para empresas como Qualcomm, Apple e AMD, para desenvolver novas fábricas de semicondutores no país.

Segundo o The Wall Street Journal, os motivos de Donald Trump, presidente do país, seriam preocupações com a cadeia de suprimentos e o que define como ameaça geopolítica representada pela China.

Hoje a Intel tem instalações fabris do tipo em três estados americanos: Arizona, Oregon e Novo México. Isso é um acréscimo à produção considerável ​​em Israel, Irlanda e China.

Outras operações de teste e montagem são realizadas nos Estados Unidos, assim como na China, Costa Rica, Malásia, Vietnã e Filipinas.

A Intel seria a mais entusiasmada com a possibilidade e já teria defendido que é do seu interesse explorar novas unidades de produção no país, acrescentando que quaisquer instalações em potencial se concentrariam em fornecer silício avançado para clientes de defesa e comerciais.

"Achamos que é uma boa oportunidade. O momento é melhor e a demanda é maior do que no passado, mesmo do lado comercial", disse Greg Slater, vice-presidente de assuntos técnicos e de políticas da Intel, ao WSJ.

Já a TSMC possui a maioria das fábricas em Taiwan, contando também com instalações nos Estados Unidos, China e Cingapura.

A companhia permanece mais tímida sobre o assunto e diz estar avaliando todos os locais adequados, mas nega a existência de qualquer plano concreto de novas fábricas nos Estados Unidos.

O WSJ, no entanto, afirma que a empresa já está conversando com a Apple e com os departamentos de comércio e defesa para a sua criação.

Ainda de acordo com a publicação, o excesso de confiança da TSMC nas fábricas de Taiwan preocupa as autoridades americanas, pois o governo chinês considera Taiwan como uma província, não como um país independente.

A ilha é atualmente reconhecida apenas por 14 países membros da ONU, com todas as outras relações externas realizadas através de escritórios de representação.

Embora suas relações com a China sejam relativamente cordiais, há uma preocupação com o potencial de isso mudar, especialmente se um futuro governo declarar formalmente a independência, já que os americanos têm tensões com o país.

Em 2019, os Estados Unidos baniram empresas chinesas de licitações, mesmo ano em que a Huawei foi adicionada a uma lista negra por Trump, passando a fazer parte de um bloqueio comercial imposto pelo país.

Assim, a empresa ficou impedida de vender seus produtos, adquirir componentes ou negociar com companhias americanas sem autorização do governo.

Em resposta, a China determinou que todos os órgãos públicos do país passem a usar apenas tecnologia nacional, substituindo entre 20 milhões e 30 milhões de equipamentos e afetando empresas americanas como Microsoft, HP e Dell.

Segundo o WSJ, o retorno da manufatura de alta tecnologia à costa americana tem sido uma prioridade para o governo Trump, mas ainda existe um ceticismo substancial quanto ao surgimento de novas fábricas de semicondutores. 

De qualquer forma, trata-se de um negócio difícil, com instalações caras e complicadas de construir, então deve demorar para que novos chips fabricados nos Estados Unidos comecem a entrar no ecossistema mais amplo.

Veja também

PANDEMIA
Como a cloroquina virou a salvação da lavoura

Remédio se tornou cavalo de batalha do presidente Jair Bolsonaro. Saiba como tudo isso começou.

NUVEM
Nova reviravolta no mega contrato do Pentágono

Vitória da Microsoft em licitação de US$ 10 bilhões pode não ser definitiva.

CORONAVÍRUS
Estados Unidos proíbe entrada de europeus

As restrições, que afetam 26 países europeus, fizeram despencar as ações das companhias aéreas.

PERSPECTIVA
O Brasil descobre a Tesla

Quais as chances reais por trás da falação em torno da possível vinda da Tesla para o país?

TRAVOU
AWS paralisa contrato da Microsoft no Pentágono

Segue a briga das duas gigantes pela mega licitação de nuvem no valor de US$ 10 bilhões.

RESPOSTA
China vai banir PCs e softwares estrangeiros

Todos os órgãos públicos deverão cumprir a determinação até 2022.

OPA
Trump pode dar rasteira na AWS

Presidente americano se interessou pelo mega contrato de US$ 10 bi Pentágono. 

BAN
Futuro da Huawei com Android é incerto

A empresa garantiu que continuará a fornecer atualizações de segurança e suporte para a linha atual de smartphones.

GUERRA
EUA: mais pressão na Huawei

Confronto entre americanos e chineses ainda não chegou no Brasil. Ainda.

VIAGEM
Brasil vai liberar visto para americanos

O Brasil vai deixar de exigir vistos de visitantes dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália.