Pay2Go quer brigar no mercado de pagamentos móveis. Foto: divulgação.

No disputado mercado do pagamento móvel, a Pay2Go é a mais recente companhia a entrar na briga, focando no segmento de comerciantes autônomos e trocas de valores entre pessoas físicas para conquistar sua base de usuários.

Lançado em junho, o app tem versões para Android e iOS, usando os dados do cartão de crédito do usuário para criar uma carteira digital dentro do aplicativo. Segundo explica a startup, o cliente pode fazer uma recarga e transferir o valor para o vendedor.

O profissional recebe no ato pelo aplicativo, podendo sacar o valor na conta corrente em até dois dias ou usar como saldo para suas próprias compras. As transações são feitas pela rede da Cielo.

Segundo Victor Shelton, a aplicação se apresenta de uma forma mais simples que outros concorrentes, como as soluções da iZettle, Buscapé ou PagSeguro, que também focam no vendedor autônomo, mas usam leitores de cartão para as operações. A comissão da empresa sobre as transações é de 6%.

"Agora o vendedor porta a porta pode acabar com o fiado, sem se sujeitar às taxas abusivas das bandeiras de débito ou crédito. Nossa proposta é que até quem venda flores em bares possa receber”, diz Victor Shelton, fundador da empresa.

O aplicativo foi idealizado também como uma forma de dividir contas entre amigos, facilitando a organização de pequenos eventos como churrascos e festas. Isso por que é possível transferir dinheiro para qualquer pessoa salva nos contatos do celular.

“Se o participante não tem o dinheiro para rachar as despesas na ocasião, ela pode fazer a transferência pelo aplicativo para o organizador, já que o valor chegará só na próxima fatura do cartão. Isso evita o calote da galera”, lembra o criador do Pay2Go.

Além da parte de pagamento, Shelton destaca que o produto também funciona como um guia de serviços de bem-estar, listando salões de beleza e clínicas de estética, que aceitam essa forma de pagamento. Com cerca de 2.600 estabelecimentos cadastrados pelo país, a ferramenta ainda permite que o consumidor agende seu horário pelo aplicativo, cobrando uma comissão de 10% sobre o valor cobrado pelo serviço.

“Ajudamos a trazer novos clientes para o estabelecimento tanto pela visibilidade, quanto pela vantagem de ser uma forma simplificada de pagamento”, lembra Shelton. 

Segundo ele, a meta é expandir o guia de serviços para restaurantes e encerrar o ano com 15 mil comércios associados e 200 mil usuários da plataforma.