Interior de um data center do Google, em algum lugar. Foto: Google.

O Google vai investir US$ 140 milhões para triplicar seu data center instalado em Quilicura, na região metropolitana de Santiago, a capital do Chile.

Em nota, a empresa afirma que com o investimento vai triplicar a estrutura para espaço de 11,2 hectares. Cada hectare equivale a um campo de futebol dos grandes.

O Google não informa quanto desse espaço será efetivamente ocupado com servidores, qual será o consumo de energia previsto ou qualquer outra informação que permita ter uma ideia prática da capacidade de processamento do novo centro.

O Google anunciou em 2012 a instalação de um data center no Chile, um dos 15 que a empresa mantém no mundo e o único na América Latina.

Na época, gigante de buscas falou em um investimento de “longo prazo” no data center de US$ 150 milhões. 

Os valores são pequenos na comparação com o total gasto pelo Google em infraestrutura em nível mundial: US$ 30 bilhões nos últimos três anos.

Na época, foi dito que o centro teria 20 empregados no total, incluindo técnicos de informática, engenheiros e pessoal de segurança.

A nota do ampliação fala em 1,2 mil empregos diretos e indiretos, mas o número provavelmente inclui trabalhadores empregados na construção e um longo etc que costuma ser incluído nesse tipo de contas.

O investimento para a expansão do data center no Chile acontece poucos meses após o anúncio, feito em janeiro deste ano, do primeiro cabo submarino privado que conecta Chile e Califórnia.

De acordo com o compromisso do Google de trabalhar totalmente com energias 100% renováveis, todas as operações da empresa no Chile têm sido alimentadas pela energia gerada em El Romero, uma grande usina de energia solar, ocupando 280 hectares no deserto do Atacama, quase 700 quilômetros ao norte da capital chilena.

Em seu site, a Acciona Energia, dona da planta, comete a indiscrição de dizer que 80 MW, cerca da metade da capacidade do local são destinados ao data center do Google.

Em julho, o Google anunciou a inauguração de um data center em São Paulo, para oferecer serviços da Google Cloud Plataform na América Latina.

Essa estrutura, no entanto, fica espalhada em três zonas de São Paulo, usando data center de terceiros, e oferece serviços de storage, networking, big data e compute.  

A estrutura do Chile é focada exclusivamente nos serviços da própria empresa.

A partir da inauguração da região de São Paulo, o Google Cloud Platform passa a estar presente em 12 regiões, 36 zonas, mais de 100 pontos de presença.