Construção está desacelerando no país. Foto: Shutterstock

O VivaReal, portal de imóveis que afirma ser líder de mercado no Brasil, adquiriu participação não revelada na Suahouse.com, dona de um produto de CRM segmentado que atende a 35 incoporadoras incluindo nomes como Alphaville, Rossi e João Fortes. 

A Suahouse.com tem apenas um ano e seis meses de mercado. Tão importante quando o que a empresa vende e para quem e o fundador do negócio. 

A companhia é comandada por Roberto Nascimento, ex-CEO da Zap e do Imovelweb, os dois grandes concorrentes do VivaReal no país, além de ter tido passagem pela área de Internet da Lopes, outra das grandes incorporadoras do país.

Outro dos cinco fundadores é Eduardo Telles, ex-diretor da PDG Realty, outra das grandes construtoras do país. A empresa tem ainda como CTO Rodrigo Costa (ex-CTO da Imoveweb, da Zap e da Planetaimovel.com)

“Juntos nossos sócios têm mais de 70 anos no mercado imobiliário, o que deu segurança a muitas incorporadoras para confiar em um novo sistema, apesar do pouco tempo da nossa empresa”, acredita Nascimento

O principal produto oferecido pela Suahouse.com é o HouseCRM, um sistema que inclui chat, e-mail, telefone e estande de vendas. A Suahouse também possui soluções de atendimento online, recepção de leads telefônicos, gestão de parcerias imobiliárias, entre outros serviços.

Além do sistema, a empresa oferece consultoria às incorporadoras, principalmente neste momento de desaceleração das vendas de lançamentos. 

"Há pouco tempo às incorporadoras não se preocupavam muito em serem eficientes porque qualquer iniciativa gerava venda. Agora que as coisas estão mais difíceis, todos querem saber qual mídia está gerando venda ou qual corretor está perdendo venda", explica Roberto.

O balanço de 2014 divulgado pelo Secovi mostrou que São Paulo tem o maior estoque desde o início da série histórica, em 2004. 

No final do ano passado, 27.255 unidades estavam ainda sem compradores. Em 2013, esse número havia ficado em 19.700. Em 2010, eram apenas 12.000 unidades, o menor número desde o começo da medição.

A ideia é que o negócio continue independente do Viva Real, mas é fácil ver as possibilidades de sinergias em um futuro próximo. A aquisição também pode servir para bloquear a possibilidade de que concorrentes comprem a empresa no futuro, em um momento em que o segmento passa por uma febre de fusões.

O VivaReal está altamente capitalizado. Em outubro, a companhia recebeu um aporte de R$ 100 milhões do fundo americano Spark Capital. 

Esta é a terceira e maior rodada de investimentos desde o início das atividades da empresa no Brasil. 

Ao todo, a empresa já levantou R$ 170 milhões em cinco anos, de fundos de capital de risco nacionais (Monashees Capital) e estrangeiros (Kaszek Ventures, Valiant Capital, Dragoneer Investment Group e Spark Capital).

O objetivo, agora, é investir no desenvolvimento de produtos, em estratégias de marketing e em recursos humanos. Hoje a empresa tem 300 funcionários no país. 

O VivaReal estima alcançar um faturamento de R$ 50 milhões em 2015, quase três vezes superior a 2013. 

Incluindo a sede em São Paulo, a empresa está presente em 14 cidades - todas as capitais do Sudeste e Sul; Brasília e Goiânia, no Centro-Oeste; e Salvador, Recife e Fortaleza, no Nordeste.